La Grève - Diário de Santa Maria

Versão mobile

Coluna Sociedade27/09/2017 | 16h38Atualizada em 27/09/2017 | 16h38

La Grève

Colunista volta à história para explicar a orgiem do termo "greve" e fala sobre projeto de lei que quer abacar com o Piso Nacional do Magistério

 Ao longo dos séculos 18 e 19, o "Porto de la Grève", situado às margens do rio Sena, tornou-se o coração comercial de Paris. Formou-se em seu entorno um grande mercado por onde chegavam bebidas, grãos, feno e madeira, fazendo deste lugar um dos mais populares daqueles tempos. Tinha esse nome pois ficava à frente de uma praça chamada "Place de Grève" _ Grève, em francês, quer dizer lugar plano, pedregoso ou arenoso situado às margens do mar ou de um curso de água.

OPINIÃO: Ensino sem modalidade. Educação sem limites

Com o tempo, a praça passou a abrigar também muitos operários, que ao amanhecer, reuniam-se à espera de trabalho. Eram, no geral, pessoas precarizadas pelo crescente desemprego. É desse contexto social que a expressão greve remete a trabalhadores paralisados em sua atividade laboral. Ainda no Medievo, a "Place de Grève" servira para torturas e execuções públicas; foi nela também que, pela primeira vez, em 1792, a guilhotina foi acionada.

Como a pós-verdade impediu o diálogo no caso Queermuseu

Estar hoje "em greve" significa, portanto, presentificar uma história perversa. Os dramas sociais vividos na "Place de Grève" só podem ser compreendidos pelos dramas do nosso tempo.  Ir "à greve" hoje é resistir ao Projeto de Lei do Senado 409/2016 que teve parecer favorável neste mês pela Comissão da casa e pode virar lei. Ele põe fim à Lei 11.738 que regula o Piso Nacional do Magistério. Permitirá que a União, Estados e Municípios possam reduzir os percentuais de correção dos salários na Educação.

Mobilização dos professores em Porto Alegre contra o parcelamento dos salários
Professores estaduais estão em greve por causa do parcelamento dos salários dos servidores estaduais Foto: Cpers Sindicato / Facebook

O senador Dalírio Beber (PSDB/SC), autor do projeto, perversamente culpa os professores pelos gastos públicos enquanto atende às ordens da classe empresarial e do sistema financeiro. Ignora os juros da dívida pública pagos pelos governos, verdadeiro ralo por onde escoa o dinheiro público. Pelo seu projeto, os professores estarão sujeitos a reajustes dos salários pelo menor índice possível. Diante disso, a única atitude digna e legítima é ocupar o terreno árduo de uma greve; ou se sujeitar à guilhotina de receber seu salário em parcelas.

 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMPrefeitura continua limpeza em Santa Maria neste sábado https://t.co/XIu3WfAJZ7 https://t.co/LIcdfBKvcZhá 14 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMVÍDEO: motorista filma destruição ao longo da BR-287 https://t.co/qtykUbSLh9 https://t.co/UX5vvRv7mqhá 14 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros