Testemunhas confirmam versão de dono de clube no caso em que dois morreram após explosão de fogos - Diário de Santa Maria

Versão mobile

Tupanciretã04/01/2017 | 08h16Atualizada em 04/01/2017 | 08h16

Testemunhas confirmam versão de dono de clube no caso em que dois morreram após explosão de fogos

Polícia Civil acredita que imperícia no manuseio dos fogos causou o acidente

Testemunhas confirmam versão de dono de clube no caso em que dois morreram após explosão de fogos Divulgação/Divulgação
Associação dos Funcionários da Cocevvil Comércio de Cereais (Afuco), local do acidente Foto: Divulgação / Divulgação

As últimas testemunhas que precisavam ser ouvidas para a conclusão do inquérito da morte de duas pessoas em um acidente com fogos de artifício em Tupanciretã prestaram depoimento nesta terça-feira.

– Os depoimentos foram ao encontro do que disse o proprietário e o filho dele – diz o delegado Adriano de Rossi, titular da delegacia de polícia em Tupanciretã e responsável pela investigação.

Ocorria uma festa familiar de Réveillon, com cerca de 40 pessoas, na Associação dos Funcionários da Cocevvil Comércio de Cereais (Afuco).

Polícia trata explosão de fogos de artifício que matou dois em Tupanciretã como acidente

Na segunda-feira, eles disseram em depoimento à Polícia Civil que, após um dos fogos ter falhado por volta da meia-noite do dia 1º de janeiro, o filho do proprietário, o funcionário da cerealista da qual ele também é proprietário, Marcelo Almeida Barcellos, 35 anos, e Gilvan Silva, 36, marido de uma funcionária da cerealista, foram até o local onde estavam instalados para checar o que havia acontecido.

– A primeira vítima teria colocado fogo em um pavio e colocado dentro do tubo onde estava o morteiro, mas ele apagou por causa do vento. A segunda vítima teria feito uma proteção com as mãos, na boca do tubo, para evitar que a chama apagasse. O filho do dono teria se afastado. Depois, o fogo de artifício explodiu – conta o delegado.

Suspeito de liderar ataque a agências bancárias em São Sepé vai ficar preso até julgamento

Barcellos foi atingido no rosto e morreu na hora. Silva sofreu queimaduras e morreu na noite de domingo no Hospital Universitário de Santa Maria (Husm). O filho do dono sofreu ferimentos leves.

 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMVÍDEO: visite o novo centro de eventos da UFSM sem sair de casa https://t.co/YWDXsZRyHS https://t.co/Jk0OvoWsdthá 14 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMInscrições para Vestibular de Inverno da Unifra encerram nesta segunda-feira https://t.co/QO4tTDtAXZ https://t.co/D97xwyYjHFhá 18 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros