A mais autêntica Rainha da Sucata é de Santa Maria - Diário de Santa Maria

Versão mobile

Bairro Patronato12/01/2017 | 10h30Atualizada em 12/01/2017 | 10h30

A mais autêntica Rainha da Sucata é de Santa Maria

Vani Padoin da Luz, 72 anos, chamada de "madrinha" pelos recicladores, trabalha com ferro-velho há 40 anos

A mais autêntica Rainha da Sucata é de Santa Maria Maiara Bersch/Agencia RBS
Foto: Maiara Bersch / Agencia RBS
Pâmela Rubin Matge
Pâmela Rubin Matge

pamela.matge@diariosm.com.br

Sucesso do horário das 20h da Rede Globo, a novela Rainha da Sucata, protagonizada por Regina Duarte, foi exibida pela primeira vez em 1990. Mas muito antes, nos idos da década de 1970, o ramo do ferro-velho já elegia sua soberana em Santa Maria: Vani Padoin da Luz.

Há quase cinco décadas, seu Chocolate percorre as ruas de Santa Maria

– Eu cheguei muito antes. Nem sei como, mas virei até Maria para os papeleiros, que me chamam de madrinha até hoje, por tudo que é lugar aqui na cidade – conta a dona da Recicladora de Metais Santa Maria.

O ferro-velho de Vani se expandiu ao longo dos anos e se tornou referência na região. E o apelido de madrinha foi dado pelos recicladores a quem ela muito ajudou ao longo desses 40 anos.

Conheça seu Valdir, agricultor que dedicou à vida ao cultivo de hortaliças em Santa Maria 

Vani começou as atividades em um pequeno espaço, no final da Avenida Borges de Medeiros. Na companhia do marido – com quem teve quatro filhos, que lhes deram sete netos – o negócio cresceu e mudou quatro vezes de local, até ir para o endereço atual, na Avenida Walter Jobim, 835.

Aos 72 anos, ela, os filhos Émerson e Marcio, as noras e outros oito funcionários seguem na lida diária. Pelo estabelecimento, passam toneladas de materiais.

 São peças de caminhão, de janelas, latinhas, panelas e outros incontáveis objetos metálicos. A maioria é cortada, amassada e revendida. Os preços são variados. O quilo de latas de refrigerante, por exemplo, custa R$ 3,40.

Esperta, Vani, orgulha-se de dizer que é boa na matemática. Ela chega a terminar as contas antes mesmo da calculadora, ignorando o fato de ter cursado até o terceiro ano no Ensino Fundamental, na terra onde nasceu, a localidade de Campina, em São Martinho da Serra.

Foto: Maiara Bersch / Agencia RBS

"Não canso nunca"
Durante a entrevista que durou cerca de uma hora, Vani não sentou um minuto sequer. Acelerada nos gestos e no ritmo da fala, mexia-se de um lado para o outro.

As memórias, que remontavam o histórico dos quase 40 anos da sucataria, eram interrompidas constantemente porque ela conversava com clientes, tentava mostrar o quanto conhecia de cada material que chegava e a tecnologia das máquinas que substituíram o trabalho braçal no serviço anos atrás.

Há 28 anos, seu Paraguai e sua borracharia fazem história na cidade

Apesar do maquinário, um dos filhos de Vani, Émerson Francisco da Luz, 46 anos, conta que é preciso ¿xingá-la¿, para que não carregue peso ou faça esforços demasiados.

Em casa, a inquietação é a mesma. Ela, que não dirige, conta que, se não tem carona, vai e volta a pé do trabalho. Nas horas vagas, ainda tira um tempo para atuar como ministra da igreja.A rotina intensa e a vontade de trabalhar , segundo a empreendedora, garantem a sua qualidade de vida:

– Não gosto de esperar pelos outros e nem de ficar parada. Por isso que tenho saúde, sou forte e não canso nunca. Só paro para dormir, e só sento para comer.

Recicladora de Metais Santa Maria
Onde -Avenida Walter Jobim, 835
Fone - (55) 3222- 3616


 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMRT @pedrohpavan: Especial Copa Santiago: entre histórias e sonhos, o maior torneio de futebol juvenil da América do Sul: https://t.co/phdGY…há 20 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMRT @pedrohpavan: Casamento de Maria Portela reunirá judocas olímpicos e da Seleção em Santa Maria: https://t.co/QtbubKptGn @diariosm @MahPo…há 1 diaRetweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros