"Eu não agi de má-fé", diz monitora de parquímetro flagrada aplicando notificação de forma indevida - Diário de Santa Maria

Santa Maria12/09/2016 | 14h31Atualizada em 12/09/2016 | 14h51

"Eu não agi de má-fé", diz monitora de parquímetro flagrada aplicando notificação de forma indevida

Funcionária contou ao Diário o que levou à irregularidade

"Eu não agi de má-fé", diz monitora de parquímetro flagrada aplicando notificação de forma indevida reprodução/
Foto: reprodução

Diário conversou na manhã desta sexta-feira com a monitora da Rek Parking flagrada em vídeo notificando indevidamente um veículo estacionado na Rua Tuiuti, centro de Santa Maria, no dia 27 de agosto. Ela já foi advertida pela empresa.

Houve uma série de comentários no Facebook em que a monitora é agredida – verbalmente – por conta da sua conduta. A entrevista aconteceu na sede da Rek Parking, na Rua Professor Braga, Centro.

Na conversa, que se estendeu por pouco menos de uma hora, ela explica a razão de ter agido como agiu.

– Eu não agi de má-fé. Era sábado, pela manhã, e, no meu setor, havia só quatro carros estacionados, por isso eu fiquei por ali. Redigi a tolerância e aguardei os 10 minutos. O que aparece na imagem sou eu entregando a tolerância e em seguida a notificação. O carro já estava no local, que é Zona Azul, muito além do permitido. Eu errei, sim, mas não houve má-fé – conta.

O que a monitora fez foi proibido pela empresa, mas não é ilegal. Conforme o código de posturas do município, é dever do cidadão fazer o pagamento da taxa do estacionamento rotativo. Os 10 minutos de tolerância são para que o motorista vá até um parquímetro e faça o pagamento, ou seja, desculpas do tipo "não deu tempo", quando o motorista excede a tolerância, não colam. Essa foi a razão de o motorista do veículo precisar ter pago a taxa.

– Os parquímetros são autoatendimento, ou seja, o motorista não deveria precisar de um monitor para ter de fazer o pagamento. Entretanto, existe a tese de que se não houver fiscalização, não será feito o pagamento – explica Vinícius de Macedo, coordenador regional da Rek Parking.

Além disso, a empresa, por lei, não teria a obrigação disponibilizar troca de dinheiro a partir dos monitores, mas a empresa entende isso como necessário.

– O parquímetro existe para liberar vagas no Centro, caso contrário pode acontecer como acontecia antes: motoristas ficam o dia inteiro com o carro estacionado no mesmo lugar. Além disso, não há atuação de flanelinhas. A população lembra como foi na época em que a cidade ficou sem os parquímetros, principalmente na região da rodoviária – relata Macedo.

São pagos R$ 0,80 por meia hora de aluguel da vaga. Caso haja notificação, é preciso pagar R$ 6. Se essa taxa não for quitada, será preciso pagar R$ 12. Após dois dias, pode virar multa.

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSM"Eu acordei com uma ligação, e disseram que meu filho estava morto", diz pai de taxista https://t.co/6Y3vjZRVZ3 https://t.co/ZDFROJLMYFhá 3 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMSanta Maria ganhará novo cursinho pré-vestibular https://t.co/FjzfzfdOin https://t.co/8RU8TyJudehá 7 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros