Santa Maria não deve sentir reflexos da atuação da Força Nacional em Porto Alegre - Diário de Santa Maria

Segurança31/08/2016 | 06h09Atualizada em 31/08/2016 | 06h09

Santa Maria não deve sentir reflexos da atuação da Força Nacional em Porto Alegre

Nem crime aumentará, nem policiais voltarão a Santa Maria

Santa Maria não deve sentir reflexos da atuação da Força Nacional em Porto Alegre Ronaldo Bernardi / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS / Agência RBS

Por volta das 6h30min de terça-feira, os 136 agentes da Força Nacional (FN) começaram a patrulhar as ruas de Porto Alegre, acompanhados de 160 policiais da Brigada Militar. O chamado feito pelo governador José Ivo Sartori (PMDB) devido a uma onda de violência na Capital deve ter um efeito quase que imediato na sensação de segurança dos porto-alegrenses. Mas causará impacto na segurança em Santa Maria? Para autoridades da segurança pública da cidade e especialistas, não. Nem para o bem nem para o mal.

Sob palmas e buzinas, agentes da Força Nacional iniciam patrulhas em Porto Alegre

– Não vai ter nenhuma alteração para a nossa realidade. A não ser que devolvam os nossos brigadianos que foram dar apoio lá – afirma o delegado regional da Polícia Civil Sandro Meinerz.

Saiba como os agentes da Força Nacional vão atuar no RS

O retorno dos cerca de 50 policiais militares do 2º Batalhão de Operações Especiais (2º BOE) e do 1º Regimento de Polícia Montada (1º RPMon) que estão em Porto Alegre não deve acontecer. A boa notícia é que não deve haver novo deslocamento de efetivo à Capital.

Governo vai tirar dinheiro de outras áreas para reforçar Segurança

– Não temos expectativa de quando eles voltarão. Devem permanecer lá enquanto for necessário. Em contrapartida, o governo nos alcançou um número maior de horas-extras e estamos conseguindo colocar mais efetivo na rua para suprir isso – afirma o comandante do 1º RPMon, tenente-coronel Erivelto Hernandes, responsável pelo policiamento em Santa Maria e em outros 18 municípios da região.

Força Nacional é comandada por tenente-coronel da Brigada Militar que integrava o governo Sartori

Por outro lado, a possibilidade de migração de criminosos da Capital para o interior é pouco provável dizem as autoridades, que acreditam que o ¿intercâmbio¿ deve acontecer dentro da própria cidade ou em municípios vizinhos (leia abaixo). 

Sensação de segurança

Para o coordenador do Núcleo de Segurança Cidadã da Faculdade de Direito de Santa Maria (Fadisma) e especialista em segurança pública, Eduardo Pazinato, a vinda da Força Nacional vai impactar muito mais na sensação de segurança do que nos índices de criminalidade na Capital.

– Era necessário, uma decisão precisava ser tomada, mas é uma estratégia do governo que cumpre mais com um efeito simbólico de minorar essa sensação de insegurança – explica.

Sem vagas na Pesm, vinda de criminosos é mais difícil

Apesar de ser uma possibilidade, a migração de criminosos da Região Metropolitana para cidades do interior é improvável. Segundo especialistas, a vinda de infratores para Santa Maria seria facilitada caso os presos em delegacias da Capital e da Grande Porto Alegre continuassem sendo transferidos para a cidade. A medida do Tribunal de Justiça ainda vigora, mas como a Penitenciária Estadual de Santa Maria (Pesm) está praticamente no limite de sua capacidade – tem 758 detentos para 766 vagas – as transferências foram suspensas.

Pesm recebe mais 12 presos da Região Metropolitana e deve lotar até segunda-feira

Para o especialista em segurança pública Eduardo Pazinato, se a medida ainda vigorasse, seria possível que houvesse, sim, uma migração de criminosos para a cidade.

Justiça proíbe que mais presos da Região Metropolitana venham para Santa Maria

– Em havendo essa continuidade, sobretudo com a transferência de presos da Região Metropolitana e Vale dos Sinos, onde há bases dos ¿Bala na Cara¿, dos ¿Manos¿, e outras facções menores, chamados de ¿Anti-Balas¿, traria esse público para Santa Maria, e aí, sim, impactaria a segurança, pois haveria esse fluxo maior das facções na cidade – avalia o especialista.

Tribunal de Justiça cassa decisão e presos da Região Metropolitana virão para SM novamente

Neste contexto, o delegado Sandro Meinerz comemora que não há mais a vinda desses presos, mas lamenta a quase lotação da Pesm e a permanência de 56 dos cerca de 70 dos detentos, que já haviam vindo da Capital para Santa Maria.

Delegado afirma que vinda de presos de fora pode aumentar a criminalidade em Santa Maria

– O fato de não virem mais é bom, mas o fato ruim é que lotou a nossa casa prisional. E a tendência, com a permanência desses presos de lá aqui, é que eles façam mais conexões na cidade e fiquem em Santa Maria. E isso é prejudicial à segurança da nossa cidade – destaca.

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMUnifra cria serviço de apoio a desempregados em Santa Maria https://t.co/fbdIvImJdC https://t.co/gWv7HIcIwQhá 12 minutosRetweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMEm cinco postos, preço da gasolina reduziu em Santa Maria https://t.co/DcKrCYAbEq https://t.co/jMFQHnv6lghá 25 minutosRetweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros