Depois de 23 anos, Capi fecha ciclo de treinador no handebol: "Dei minha contribuição" - Esportes - Diário de Santa Maria

Despedida21/12/2016 | 19h04Atualizada em 21/12/2016 | 19h04

Depois de 23 anos, Capi fecha ciclo de treinador no handebol: "Dei minha contribuição"

Técnico que ajudou a construir a trajetória da modalidade em Santa Maria decidiu largar a função

Depois de 23 anos, Capi fecha ciclo de treinador no handebol: "Dei minha contribuição" Jean Pimentel/Agencia RBS
Foto: Jean Pimentel / Agencia RBS

Foram longos 23 anos de paixão e dedicação. Muitas brigas, dificuldades, mas, principalmente, conquistas, amizades e um legado. O professor Jorge Fernandes, 54 anos, conhecido como Capi, decidiu abandonar a função de técnico de handebol. Recentemente, Capi comandava a Associação Santa-Mariense de Handebol (ASH) e as categorias de base da Escola Margarida Lopes.

ASH fica em 3º no Estadual de Handebol

— A decisão vem sendo tomada desde 2015. O 2016 acabou servindo para que eu me desse conta que preciso abrir espaço para outros. Acho que dei a minha contribuição. Fui um dos que mantiveram a modalidade em voga. Preciso de tempo para mim — explica Capi, que é diretor da Escola Margarida Lopes e também dá aulas no curso de Educação Física da Ulbra.

A falta de valorização do esporte em Santa Maria também contribuiu, apesar de não ser o fator determinante, para a decisão de Capi:

— Sempre fiz porque sou um apaixonado, apesar das circunstâncias adversas. Se fosse esse o problema, já teria saído há muito tempo. Mas não vejo perspectivas próximas para mudar essa realidade — acredita.

Handebol Feminino termina segunda fase do Estadual invicto
Leia mais sobre handebol

Em 2014, um sonhador Capi recolocou Santa Maria no cenário nacional do handebol. Foi quando o time masculino da ASH disputou a Liga Nacional — o principal campeonato brasileiro da modalidade. No entanto, as 10 derrotas em 10 jogos mostraram que a realidade santa-mariense está muito aquém das demais equipes da elite. À época, após o término da competição, Capi chegou a dizer: "Tomamos laço porque é a nossa realidade. Estamos muito distantes do que pretendemos".

— De momento, descarto um retorno. Mas não vou dizer que dessa água não beberei. Um dia, quem sabe, posso voltar caso se tenha uma estrutura, ao menos, semiprofissional. Também não posso virar as costas para o handebol. Tenho a ideia de auxilar o pessoal nos bastidores. Quero contribuir conforme o meu tempo — conclui Capi, que tem em seu currículo de treinador triunfos como o heptacampeonato juvenil/adulto dos Jergs e o hepta juvenil estadual, ambos com o Margarida Lopes, além do título recente e inédito da Copa Mercosul 2015 com o time adulto da ASH, entre outras dezenas de taças em campeonatos estaduais e representações nacionais.

 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMRT @pedrohpavan: Wolmar Heringer será o próximo presidente do Riograndense: https://t.co/NKUmolP7Lh https://t.co/KdclB8GTw2há 18 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMMotociclista morre ao ultrapassar em local proibido da BR-290 https://t.co/zfVfaEyH5K #rosáriodosul https://t.co/xYKzb97Xdyhá 1 diaRetweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros