O que esperar das marcas do atletismo nos Jogos do Rio - Esportes - Diário de Santa Maria

Recordes?13/08/2016 | 19h05Atualizada em 13/08/2016 | 19h11

O que esperar das marcas do atletismo nos Jogos do Rio

Modalidade é o carro-chefe da programação da segunda semana olímpica

O que esperar das marcas do atletismo nos Jogos do Rio Adrian DENNIS / AFP/
Usain Bolt luta pelo tricampeonato dos 100m, 200m e revezamento 4x100m, mas será uma surpresa se ele quebrar suas próprias marcas nessa Olimpíada Foto: Adrian DENNIS / AFP
André Baibich - Enviado especial ao Rio
André Baibich - Enviado especial ao Rio

andre.baibich@zerohora.com.br

Quando as luzes começam a se apagar no Estádio Aquático Olímpico, acendem-se com força no Engenhão. O atletismo é o carro-chefe da programação da segunda semana olímpica do Rio, o que motiva a pergunta: os recordes mundiais cairão nas pistas com a mesma frequência do que nas piscinas?

Há uma diferença importante entre as duas modalidades que impede que o atletismo registre tantas marcas históricas em Olimpíadas. Em provas de longa distância de circuitos como a Liga Diamante, por exemplo, há o interesse da organização em ver um recorde quebrado. Por isso, cria-se o ambiente ideal para o atleta ultrapassar o tempo anterior. As facilidades incluem "coelhos", corredores que ditam o ritmo para que o fundista tenha o desempenho necessário para o recorde.

Leia mais:
Noite de eliminações para o Brasil no atletismo
Etíope ganha primeiro ouro do atletismo e bate recorde mundial nos 10.000m
As novas tecnologias do atletismo, modalidade na qual os milionésimos decidem

Por isso, dificilmente cairão mais marcas de distâncias acima dos 3 mil metros, como a quebrada pela etíope Almaz Ayana, logo na primeira disputa por medalhas do atletismo, nos 10 mil metros feminino. Nessas modalidades, o foco único dos atletas deve ser o ouro. Correm com estratégia, controlam os adversários e, assim, garantem o lugar no degrau mais alto do pódio. Mas não olham para o cronômetro.

— É raro ver, nos últimos 20 anos, um recorde mundial quebrado em Olimpíadas nos 5000m, 3000m, maratona. Para isso, precisa do lugar perfeito, com o clima perfeito e os coelhos perfeitos. Os Jogos Olímpicos são mano a mano, volta a volta, na briga pelo ouro — explica o comentarista de atletismo do SporTV, Lauter Nogueira.

Mas e o multicampeão Usain Bolt? A luta do jamaicano é pelo tricampeonato dos 100m, 200m e revezamento 4x100m, mas será uma surpresa se ele quebrar suas próprias marcas nessa Olimpíada. Bolt teve uma preparação tumultuada por conta de lesões recentes. Além disso, não é mais um menino. Aos 29 anos, não tem a mesma forma de 2009, quando estabeleceu os recordes dos 100m e 200m.

— Em Londres ele também teve problemas com lesões antes da Olimpíada. Chegou bem fisicamente, mas sem ritmo de competição. Usou as eliminatórias para isso, e foi correndo mais forte a cada bateria — lembra Lauter, que completa:

— Ele vai ter dificuldades nos 100m. Além do (Justin) Gattlin, há pelo menos mais três atletas fortes nessa prova. Se ele ganhar, pode ter certeza que leva o ouro nos 200m também. Mas bater o recorde é mais complicado.

Nos 400m, é bom ficar de olho no americano LaShawn Merritt, líder do ranking, que já foi comparado à lenda Michael Johnson (campeão olímpico dos 200m e 400m em Atlanta 1996). Há possibilidade, também, de cair a marca de 1993 estabelecida pelo cubano Javier Sotomayor no salto em altura. Um grupo de elite composto por seis atletas tem se aproximado do recorde.

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSM25ª Romaria da Pessoa Idosa ocorre neste domingo em santa Maria https://t.co/HkwZbLRRK0 https://t.co/6NeTkFv9S8há 34 minutosRetweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSM"Sônico Festival" apresenta bandas autorais de Santa Maria https://t.co/wM6SKhtF79 https://t.co/8uFTTP2EBnhá 3 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros