Fabricante de Santa Maria ensina como fazer e curtir cuias - Diário de Santa Maria

Colheita de porongo27/03/2017 | 14h30Atualizada em 27/03/2017 | 14h30

Fabricante de Santa Maria ensina como fazer e curtir cuias

Distrito de Santa Maria, Arroio do Só virou referência na produção 

Fabricante de Santa Maria ensina como fazer e curtir cuias Gabriel Haesbaert/NewCo DSM
Foto: Gabriel Haesbaert / NewCo DSM

Março já se encaminha para o fim, marcando o início da colheita do porongo. A produção do fruto na região caiu nos últimos anos, mas ainda é suficiente para encher até quase o teto a fábrica de Adelte Seeger, 52 anos, que há 25 se dedica à produção de cuias. O empreendimento fica em Arroio do Só, distrito de Santa Maria que virou referência na produção de um dos utensílios mais utilizados pelos gaúchos. 

Tupanciretã deve colher 511 toneladas de soja

– É tranquilo dizer que o nosso distrito é o maior fabricante de cuias do mundo. E essa é uma das épocas mais importantes. Até o final de junho, início de julho, os produtores terminam de colher tudo e, pelo resto do ano, a gente tem matéria-prima para fazer as cuias – conta Seeger, conhecido como Deco.

Em meio a uma quantidade incalculável de porongos, ele e os funcionários selecionam os que têm formatos diferentes e os que vão ser destinados para lugares diversos. A produção da fábrica chega a 200 mil cuias por ano, de mais de 20 tipos, que são vendidas no próprio estabelecimento, na Fronteira, no Paraná e na Região Metropolitana. Deco é quem transporta o material para as cidades onde vivem os compradores, fazendo uma média de uma viagem a cada 10 dias.

Por que a batata não é mais a aposta dos agricultores em Silveira Martins

– Tem cuia de diferentes tipos que são específicas para diferentes lugares. As menores, por exemplo, geralmente vão para Uruguaiana – explica.

QUEDA NA PRODUÇÃO
De acordo com dados da Emater, nos últimos anos, o número de produtores vem caindo no Estado, mas a safra tem se mantido estável e, em 2017, não deve ser diferente dos anteriores, ficando em cerca de 21 milhões de frutos colhidos em todo o território gaúcho. A dificuldade de produzir, aliada à pouca rentabilidade da produção, pode ser a explicação para a queda no número de agricultores que investem em porongos. Deco entrou no mercado de cuias pelo cultivo do fruto:

Foto: Gabriel Haesbaert / NewCo DSM

– Na década de 1990, eu plantava porongo. Eu até vendia bem, mas um dia me dei conta que eu mesmo poderia produzir as cuias. E a vida na fábrica, embora também seja corrida, é mais fácil que essa vida no campo, abaixo de sol e de chuva. 

Para Deco e a mulher, Nilva, 50 anos, que trabalham juntos, não vale o ditado "em casa de ferreiro, o espeto é de pau". Eles não só consomem muito chimarrão como têm uma coleção de aproximadamente 50 cuias em casa. 

Colheita da soja começa com projeção de uma súper safra

O irmão de Deco também é fabricante, e os dois compram os porongos de produtores locais. Arroio do Só tem uma área de cerca de 70 hectares da fruta cultivada por cerca de 30 agricultores. Depois de colhido, o fruto precisa de um tempo para secar e, em seguida, ser limpo e trabalhado. 

O processo ocorre a céu aberto e, ao contrário do que se possa imaginar, é o sol que inspira cuidados, pois pode secar demais o produto e torná-lo quebradiço, e não a chuva. O valor da cuia varia de R$ 1, a mais simples, a R$ 10, com suporte e bomba. O porongo é vendido do produtor para o fabricante por, em média, R$ 1 a unidade, já seca e limpa.

Evento em Pinhal Grande incentiva jovens a permanecerem no campo

FAÇA A CUIA EM CASA

Para fazer uma cuia em casa, é preciso ter uma boa lixa e cuidado na hora de cortar o porongo, para que ele fique retinho. Confira o passo a passo:

– Corte o porongo na altura desejada para o tamanho da cuia
– Limpe bem por fora
– Com uma lixa grossa, faça o acabamento por dentro para deixar a cuia mais uniforme
– Utilize verniz para o acabamento por fora

COMO CURTIR A CUIA

Antes de utilizar a cuia pela primeira vez, é necessário submetê-la a um processo que deixa o chimarrão mais saboroso. O método mais conhecido consiste em colocar erva-mate com água morna dentro da cuia e deixar descansando por, pelo menos, 24 horas. Mas Adelte Seeger, especialista em cuias, garante que há um jeito mais fácil e eficiente. Você vai precisar de folhas de laranjeiras ou de um chá qualquer:

– Coloque um punhado de folhas de laranjeira ou de chá na cuia e cubra com água morna
– Deixe descansar por cerca de uma hora
– A cuia está pronta para uso

Foto: Gabriel Haesbaert / NewCo DSM
 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMO calendário de concursos e as turmas preparatórias abertas https://t.co/P6rBCeBy5B https://t.co/FIJ1eqIPAHhá 13 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMSeca e ventos aumentam o risco de incêndios às margens de rodovias https://t.co/ed647rnQ2x https://t.co/DMkYZeFFyhhá 13 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros