Trabalhadores rurais realizam protesto contra a reforma da Previdência em Santa Maria - Diário de Santa Maria

Manifestação16/12/2016 | 13h29Atualizada em 16/12/2016 | 15h47

Trabalhadores rurais realizam protesto contra a reforma da Previdência em Santa Maria

Grupo concentrou-se na Praça Saldanha Marinho na manhã desta sexta-feira

Trabalhadores rurais realizam protesto contra a reforma da Previdência em Santa Maria Maiara Bersch/Agência RBS
Foto: Maiara Bersch / Agência RBS

A reforma da Previdência, proposta pelo governo Michel Temer, segue gerando mobilizações e protestos. Na manhã desta sexta-feira, a Associação dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais da Regional Santa Maria (Astrema), realizou um ato na Praça Saldanha Marinho.

Reforma da Previdência afeta quem está trabalhando em três situações diferentes

Mais de 200 pessoas estiveram presentes na mobilização. A categoria é contra a reforma da Previdência que estipula uma idade mínima para a aposentadoria, tanto para os trabalhadores urbanos, quanto para os do campo. Hoje, o homem trabalhador rural pode se aposentar com 60 anos, e as mulheres, com 55. Se aprovada a reforma, o tempo de trabalho se estende até 65 anos para qualquer trabalhador. 

Reforma acaba com fator previdenciário e fórmula 85/95

Além disso, a proposta prevê a contribuição obrigatória e individual ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Hoje, os trabalhadores rurais pagam uma cobrança de 2,1% sobre o valor bruto da comercialização da produção. 

Por que o governo quer aprovar a reforma da Previdência

– Não somos totalmente contra a reforma, somos contra a maneira como ela está sendo colocada. Somos a favor que se faça essa reforma, mas que ela seja aplicada a todos, desde a cúpula dos governantes, com o Legislativo e Executivo contribuindo, até o trabalhador urbano e rural. O governo, hoje, desconhece a realidade do meio rural – comenta o coordenador da Regional de Santa Maria, Jair Ivan Wouters.

Mudanças na aposentadoria e seus exageros

A mobilização desta sexta-feira ocorre em nível estadual. Em Santa Maria, os trabalhadores concentraram-se na Praça Saldanha Marinho por volta das 8h15min. No local, com bandeiras da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS) e com cartazes com frases como "Nenhum Direito a Menos", o grupo acompanhou as falas de representantes dos sindicatos. Durante a movimentação, um homem pilchado fazia trovas contra as proposta da Previdência.

Tire suas dúvidas sobre a reforma da Previdência

Por volta das 10h15min, os trabalhadores saíram em caminhada da praça até a agência do INSS. Durante o período, o trânsito na Avenida Rio Branco com a Rua Venâncio Aires foi bloqueado. Na agência, parte do grupo trancava a entrada de pessoas que buscavam informações. A expectativa da organização era manter a mobilização até o meio-dia.

– Com essa mobilização, queremos mostrar para o governo que não concordamos com isso. E, quando vier a votação, será ainda pior. Estamos indo para um regime de escravidão do trabalhador rural e do trabalhador urbano, então, temos que nos mobilizar – diz Wouters.

Novas regras da aposentadoria e o iminente abandono ao campo

A preocupação da categoria é, também, que com a aprovação da proposta, um êxodo rural venha a ocorrer. Isso porque com as novas condições feitas pela proposta, os jovens trabalhadores rurais não deverão permanecer no campo.



 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMRT @pedrohpavan: Especial Copa Santiago: entre histórias e sonhos, o maior torneio de futebol juvenil da América do Sul: https://t.co/phdGY…há 20 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMRT @pedrohpavan: Casamento de Maria Portela reunirá judocas olímpicos e da Seleção em Santa Maria: https://t.co/QtbubKptGn @diariosm @MahPo…há 1 diaRetweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros