Série "Como assim, candidato?" entrevista Werner Rempel - Diário de Santa Maria

Eleições 201619/09/2016 | 16h12Atualizada em 26/09/2016 | 09h43

Série "Como assim, candidato?" entrevista Werner Rempel

Série questiona candidatos a prefeito de Santa Maria sobre as principais propostas apresentadas durante a campanha

Série "Como assim, candidato?" entrevista Werner Rempel Ronald Mendes/Agencia RBS
Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS

As promessas feitas pelos candidato a prefeito de Santa Maria têm gerado muitos comentários e dúvidas: como serão cumpridas? São viáveis? E dinheiro para isso? Por esse motivo, a Página 2 inicia nesta segunda-feira uma série de entrevistas com os oito concorrentes, que se chama ¿Como assim, candidato?¿. Entre as dezenas de propostas, serão selecionadas quatro de cada concorrente. Nos próximos dias, serão apresentadas as entrevistas com os outros sete candidatos. Werner Rempel, do PPL, é o primeiro a ser entrevistado. Confira abaixo as respostas de Werner:

O senhor promete criar a fundação municipal de saúde e, com isso, melhorar a saúde em Santa Maria. Como assim, candidato?

Werner - É mais simples do que parece. O problema principal da saúde hoje é a falta de médicos nos postos. Nós não conseguimos constituir equipes inteiras, porque quando a prefeitura abre um concurso para médicos, ela oferece 10 vagas, e aparecem três, em média. É que os salários pagos estão muito abaixo do que o mercado de trabalho oferece para essa categoria. Nós não podemos aumentar (o salário) dos médicos à revelia do restante dos funcionários. O aumento para os médicos significa o aumento para o agente de obras e para outros. A única forma de resolvermos isso é desvincular a Secretaria de Saúde, tirá-la da administração direta e colocá-la na indireta. Na constituição da fundação, podemos estabelecer salários diferenciados, e é isso o que foi feito, por exemplo, em Santa Rosa. Lá, seis anos atrás, os médicos ganhavam para oito horas, com dedicação exclusiva, que eles já terminaram, R$ 11 mil. Os médicos, dessa forma, vão começar a disputar para estar na prefeitura e, desta forma, vamos conseguir aumentar as equipes. Porque se nós tivermos a intenção de aumentar as equipes mantendo os salários atuais, que são ridículos, R$ 1,7 mil iniciais, não vamos conseguir. 

O senhor promete levar a rede de esgoto a toda a cidade? Como o senhor pretende fazer isso, municipalizando o serviço ou de outra forma?

Werner - Eu me inclino para uma saída pública para o fornecimento de água e o esgotamento sanitário. Eu rechaço, por exemplo, uma municipalização com uma terceirização posterior. Municipalização com o município assumindo, até pode ser. Mas atualmente, eu considero que a principal alternativa que temos é a Corsan continuar porque tem uma questão ainda não esclarecida da indenização da Corsan por tudo o que ela investiu aqui, e isso seria impraticável para o município. O que nós queremos é ter como norte que 100% das economias de Santa Maria tenham o esgotamento sanitário na cidade. Isso não se atinge em um governo, é coisa que talvez precise de uns quatro governos. Mas, a cada ano, a Corsan, no novo contrato, deverá garantir aumentos consecutivos para que nós avancemos na execução desse intento. Eu não seria louco de afirmar que vou fazer isso em quatro anos. Seria um devaneio. 

O senhor propõe fechar pequenas escolas e reunir alunos em escolas maiores, além de dobrar o número de creches. Como fará isso? 

Werner - Nós temos um problemão em Santa Maria: as áreas físicas das escolas. Elas precisam se expandir e estão literalmente cercadas por propriedades. Então, elas não têm como ser aumentadas, mas precisam ser. Já está em estudo aqui em Santa Maria um plano da própria Secretaria de Educação, de nuclear essas pequenas escolas em escolas maiores. Então, mais modernas, com mais possibilidades e com o transporte dessas crianças às escolas núcleo. Este projeto não é meu, mas penso que deverá ter a atenção, pois talvez seja a forma de melhorar a educação das crianças. Nós pretendemos, progressivamente, perseguir na educação esta questão da educação infantil (creches). A maior parte das escolas municipais não tem escritura do terreno, e isso precisa ser feito. 

Ao fechar pequenas escolas, não vai desagradar os pais, pois as escolas ficarão longe?

Werner - Não, a prefeitura vai garantir o transporte dessas crianças, se não vamos dificultar a vida dessas pessoas. Vai haver uma resistência inicial, mas a possibilidade de uma escola grande, com toda infraestrutura vai logo, logo, convencer essas pessoas que é uma atitude correta. 

O senhor fala em pagar bem mais a médicos e a criar mais escolas. Como vai arrumar dinheiro para isso?

Werner - Se formos verificar o IPTU, nós temos muitas residências que não estão na planta cadastral. Isso é prioritário. Eu não vou escorchar e esfolar os que já pagam, mas, ao incluirmos uma série de residências que usufruem de todos os equipamentos urbanos e que não pagam, podemos aumentar a arrecadação. Em um governo, a gente não consegue, mas ao longo do tempo podemos transformar Santa Maria numa cidade industrial e arrecadar mais ICMS. E tem outra questão fundamental: mutirão. Onde for possível, o prefeito vai pegar na pá junto com os moradores, resolvendo essas questões e barateando o custo de muitas ações da prefeitura e emulando a população a participar e a fazer mais com menos.

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMSérie "Como assim, candidato?" entrevista Paulo Weller https://t.co/4sskaH3IdD https://t.co/oFYPixP7qihá 2 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMJovem é executado na frente da mulher em Cacequi https://t.co/f8ntYUbCbu https://t.co/5fR1nMbP3Mhá 3 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros