Candidatos a prefeito de Santa Maria participam de debate promovido pelo Sinprosm - Diário de Santa Maria

Corrida Eleitoral23/09/2016 | 20h59Atualizada em 24/09/2016 | 12h11

Candidatos a prefeito de Santa Maria participam de debate promovido pelo Sinprosm

Prefeituráveis falaram sobre educação e plano de saúde dos servidores em um encontro que teve mais ataques do que propostas

Candidatos a prefeito de Santa Maria participam de debate promovido pelo Sinprosm Maiara Bersch/Agencia RBS
Foto: Maiara Bersch / Agencia RBS
Pâmela Rubin Matge
Pâmela Rubin Matge

pamela.matge@diariosm.com.br

Mais um debate integrou a agenda dos oito candidatos que disputam a prefeitura. Na tarde e começo da noite desta sexta-feira, foi a vez de o Sindicato dos Professores Municipais de Santa Maria (Sinprosm) promover o encontro, que foi marcado por pesadas críticas entre os candidatos. 

O perfil dos 8 candidatos a prefeito de Santa Maria 

O evento começou com 25 minutos de atraso, devido à sugestão de readequação do tempo para as respostas. Mas, após discussões, a organização manteve o tempo já estipulado anteriormente.

 O mediador precisou interromper constantemente o debate para que os presentes mantivessem o silêncio. As discussões foram norteadas por pautas como o Piso Nacional do Magistério (PMN), a falta de um plano de saúde acessível aos municipários e questões estruturais da rede municipal de educação. Além do espaço para apresentação e considerações finais, os participantes responderam, em três blocos e, por ordem de sorteio, perguntas elaboradas pelo Sinprosm e pelo público, além de perguntas e respostas entre os próprios prefeituráveis.

Candidatos a vice-prefeito participaram de debate na Cacism

No bloco em que a plenária elaborou as perguntas, os ânimos se acirraram. Quando Valdeci Oliveira (PT) foi questionado sobre a proposta de Fabiano Pereira (PSB), de pagar horas extras para a Brigada Militar (BM) ao invés de valorizar a Guarda Municipal, que poderia atuar colaborando com a segurança das escolas, Fabiano interrompeu a ordem das perguntas, alegando ser uma questão tendenciosa. A organização permitiu que Fabiano ganhasse mais um minuto na sua vez de responder, já que foi citado na pergunta. Contudo, ele dispensou o acréscimo e o debate seguiu sua ordem normal. O candidato Werner Rempel (PLL), que só chegou no final, foi representado pelo seu vice.

Quanto cada candidato arrecadou até agora para as campanhas eleitorais em Santa Maria

Com a palavra, os candidatos

EDUARDO LEITÃO CRISÓSTOMO (VICE DE WERNER REMPEL, PPL)
– Educação no município é satisfatória, mas a gestão trabalhará para continuar a valorizar a carreira de professores com concursos e especializações.
– Irá procurar recursos locais, além de articular com o Estado e a União para o pagamento do piso salarial
– O plano de saúde será dialogado e haverá um consenso entre sindicato e prefeitura.
–Estarão com a porta aberta para o diálogo, lutando pelo piso, mas sem poder responder sim ou não quanto ao pagamento do piso.
– Lutaremos para melhorar as finanças municipais


JADER MARETOLI (SD)
–Será fundamental cuidar das estruturas de escolas, com ambiente de trabalho adequado. Afirma que não terá coragem de aumentar o próprio salário sem pagar o piso dos professores, como aconteceu na atual gestão da cidade.
– Irá diminuir secretarias e CCs e propor escola de turno integral como forma de mudar a realidade dos jovens
– Diz que aumentar a receita é fundamental com o enxugamento da máquina pública
– Acha positivo uniforme escolar, mas é preciso avaliar quanto se gastaria, já que falta recursos para elaborar um plano de saúde. O básico é "fazer o serviço de casa e sonhar com os pés no chão."

MARCELO BISOGNO (PDT)
– A cidade teve avanços, mas é preciso tratar questões básicas, resolvendo problemas como estrutura, acompanhamento psicológico e combate à evasão escolar
– Piso nacional é lei e será buscado junto aos governos estadual e federal
– ContinuaRÁ o legado de Brizola, cumprindo a doutrina que prioriza educação
– Quem estará na pasta para comandar a educação em Santa Maria será um professor da rede municipal
– Abrirá a escola Leonel Brizola, que está pronta e fechada. É preciso escola de tempo integral, com atividades recreativas e esportivas para tirar crianças das ruas, para combater a criminalidade

ALCIR MARTINS (PSOL)
– Diz que atualmente há um erro essencial: a prefeitura não cumpre a lei, e os professores recebem abaixo do piso
– Diz que a escola precisa de estrutura, bem como de professores bem pagos, com condições de trabalho dignas
– afirma que reuniões pedagógicas são essenciais. Critica a gestão atual, que falha em políticas públicas e faz predominar a lei do mercado
– É preciso planejamento participativo com sindicato e justiça tributária. É preciso fazer inversão de prioridades. Diz que regularizar o IPTU é continuar cobrando imposto de quem não tem e que não se pode seguir taxando os mais pobres. Promete governar com autonomia e liberdade pedagógica

JORGE POZZOBOM (PSDB)
– Montará gabinete de governança, com equipe jurídica e diálogo permanente com o povo
– Lamenta o parcelamento dos salários. Vai votar um projeto de execução do PMN. Fará  reparos nas escolas para melhorar autoestima de alunos e professores
– Criará o núcleo de atenção ao professor, inclusive, com fonoaudiólogos
– Não promete concurso sem avaliar recursos. Afirma que, para o plano de saúde dos professores, há alternativas para buscar dentro próprio município
– Afirmou que não rasgará o discurso depois de eleito
– É contra o projeto escola sem partido

VALDECI OLIVEIRA (PT)
– Critica que a atual gestão pratica autoritarismo, perseguição e falta de diálogo com magistério
– Não fará promessa e, sobre o plano de carreira dos professores, haverá diálogo permanente
– Tem orgulho de não atrasar nem parcelar o salário no governo do PT. 
– A partir de janeiro, debaterá para chegar aos 100% do piso. Defende escola de qualidade, sobretudo nas creches
– Alegou que nunca foi massa de manobra do Sartori e não tem vergonha de defender o governo Tarso
– ¿Peço desculpa se citar as coisas que fizemos em 8 anos incomoda as pessoas¿

FABIANO PEREIRA (PSB)
– Continuará com a política de reposição salarial
– Trabalhará para pagar o piso, fazendo de Santa Maria, um exemplo do país
–  Valorizará reuniões pedagógicas e abrirá concurso para mais 150 professores – O que deu certo em gestões anteriores será continuado
– Defendeu-se, dizendo que ele não é continuísmo de nenhum governo. Que Santa Maria deve reconhecer o que já feito em 158 anos. Afirma que, o que foi feito de bom por muitos governos, ele vai continuar: ¿Sabemos reconhecer¿
– Educação não é despesa, é investimento. E governar é elencar prioridades

PAULO WELLER (PSTU)
– O plano dos professores não pode ser discurso, tem que ser prática
– Valorização do professor quer dizer cursos permanentes. O atual modelo da administração é um descalabro. A escola sem partido quer acabar com a opinião nas escolas, falo como professor de história
– Critica a retirada das reuniões pedagógicas, dizendo que é preciso readaptação do plano de carreira
– Diz que plano de saúde é um jogo de empurra-empurra entre as secretarias
– Criticou o arquivamento da denúncia contra Schirmer na Câmara
– 'Creche é uma defesa da dignidade da mulher'

Foto: Maiara Bersch / Agencia RBS
 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMSuspeito de integrar movimento neonazista é preso em Cruz Alta https://t.co/HlPiwvvtk9 https://t.co/EtWLEXWtgEhá 11 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMEstudantes começam a desocupar prédios da UFSM https://t.co/fHTMnU4nv0 https://t.co/uC8MlLQBGhhá 11 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros