Atenção candidatos a vereador: há 35 mil votos "sem dono" - Diário de Santa Maria

Eleições 201621/09/2016 | 09h07Atualizada em 21/09/2016 | 09h33

Atenção candidatos a vereador: há 35 mil votos "sem dono"

Projeção leva em conta parlamentares que não disputam reeleição por vários motivos

Atenção candidatos a vereador: há 35 mil votos "sem dono" Germano Rorato/Agencia RBS
Foto: Germano Rorato / Agencia RBS
Diário de Santa Maria
Diário de Santa Maria

A disputa por uma das 21 vagas na Câmara de Vereadores de Santa Maria leva em conta, no sentido literal da expressão, um cálculo. Há, conforme estimativa feita pelo Diário, 35 mil votos ¿na rua¿ e que, em tese, não pertencem a ninguém. O número considera uma série de circunstâncias: três vereadores disputam à prefeitura (seja como o cabeça de chapa ou como vice), outros três desistiram de concorrer a um novo mandato, um teve de deixar o mandato depois que a Justiça Eleitoral determinou o seu afastamento, uma vereadora que morreu no começo do mandato, e, por fim, um parlamentar que teve o mandato cassado recentemente.

Os 223 candidatos que disputam uma vaga na Câmara de Vereadores

Por tudo isso, uma coisa já está garantida para a próxima legislatura (2017-2020): terão, ao menos, nove nomes que estrearão na Casa a partir do próximo 1º de janeiro. Além disso, os candidatos – seja os que querem entrar quanto os que buscam a reeleição – fazem o possível para mapear esse capital político e conquistar os eleitores.

Desfile de políticos no 20 de Setembro em Santa Maria

Esses 35 mil votos poderiam eleger até quatro vereadores, levando em conta que uma candidatura precisa fazer, em média, 7,7 mil votos para garantir uma cadeira. O Diário, desde o período de pré-campanha quanto depois do início da propaganda (ainda no mês passado), tem conversado com os representantes partidários que fazem as projeções mais otimistas. Mas, se formos colocar na ponta do papel, faltariam vagas para a próxima legislatura. Seria preciso, no mínimo, mais 10 cadeiras para abrigar a todos.

O posicionamento de concorrentes à Câmara de Santa Maria sobre temas polêmicos

Apostas e dramas

Os dirigentes partidários apostam, basicamente, em duas bandeiras: a da renovação (levantada por quem ainda não é vereador) e a de um mandato de trabalho (discurso adotado por quem já está na Câmara). Os representantes das siglas convivem, cada um, com dramas próprios.

Candidatos prometem abrir o Hospital Regional, mas pouco podem fazer

O PP, por exemplo, tem hoje, três vereadores, mas nenhum deles concorrerá à vereança. Sandra Rebelato e Paulo Airton Denardin desistiram e Sergio Cechin é vice do prefeiturável Jorge Pozzobom (PSDB). O trio progressista fez, em 2012, 10,1 mil votos.

O PMDB perdeu o seu puxador de votos, o vereador João Carlos Maciel, que foi cassado no ano passado. Ele em 2012 fez 5,5 mil votos e já foi o mais votado em eleições anteriores. A também peemedebista Maria de Lourdes Castro, que fez 3 mil votos, morreu no começo do mandato. Ainda há 2,3 mil votos de Cláudio Rosa (PMDB), que deixou o mandato depois que a Justiça Eleitoral determinou seu afastamento, porque recaíam suspeitas de práticas irregulares no pleito de 2012.

Quanto cada candidato arrecadou até agora para as campanhas eleitorais

No lado do PT, Luiz Carlos Fort não concorre. Ele fez 2,5 mil votos quatro anos atrás.

O PDT de Marcelo Bisogno, que concorre a prefeito, espera que os 8,7 mil votos dele, feitos em 2012, se pulverizem entre os pedetistas.

E ainda há o PPL, que hoje só tem uma cadeira ocupada por Werner Rempel que, à época, fez 2,6 mil votos e, agora, concorre a prefeito.

Leia todos as notícias da série "Diário nos Bairros: Eleições 2016"

No detalhe

– Entre políticos que não concorrerão – seja por motivo de cassação, de desistência ou de candidatura a prefeito e a vice – há, ao todo, 35.081 votos que poderão ser disputados entre os candidatos ao Legislativo

– Os 35 mil votos levam em consideração as votações de 2012 obtidas por Marcelo Bisogno (PDT), que fez 8.713 votos; Sergio Cechin (PP), com 5.830; João Carlos Maciel (PMDB), 5.521; Maria de Lourdes Castro (PMDB), com 3.060; Paulo Airton Denardin (PP), 2.697; Werner Rempel (PPL), 2.674; Luiz Carlos Fort (PT), 2.535; Claudio Rosa (PMDB), 2.391, Sandra Rebelato (PP), 1.660

–  Sendo assim, com os 35 mil votos que estão na rua, uma coligação poderá conquistar 4 cadeiras

– Para eleger um vereador, uma coligação terá que fazer 7,7 mil votos. Para chegar a esse coeficiente eleitoral, a projeção é que teremos, por exemplo, 162 mil votos válidos no pleito de 2 de outubro

–  São 223 candidatos que disputam 21 vagas na Câmara de Vereadores. Ou seja, a média é de 10,6 candidatos por vaga

 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMEm Nome do Filho: E quando o amigo vai embora? https://t.co/tUgew8B8Nk https://t.co/MdEw2Wz1bQhá 5 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMÚltima parcela do IPTU 2016 vence na segunda-feira https://t.co/HHnIk9DHd9 https://t.co/0mCpZepaWZhá 5 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros