Rejeição aos políticos desafia candidatos na eleição municipal  - Diário de Santa Maria

Eleições 201606/08/2016 | 02h01Atualizada em 10/08/2016 | 17h42

Rejeição aos políticos desafia candidatos na eleição municipal 

Sucessão de escândalos vai tornar ainda mais difícil a briga pelo voto mais exigente dos 144 milhões de eleitores que irão às urnas em outubro

Rejeição aos políticos desafia candidatos na eleição municipal  Maykon Lammerhirt/Agencia RBS
Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

Poucas vezes os brasileiros inauguraram período eleitoral em ambiente tão refratário à política como em 2016. A descrença geral provocada pela sucessão de escândalos e prisões atingiu todos os matizes partidários e torna ainda mais desafiadora a briga pelo voto dos 144 milhões de eleitores que irão às urnas em outubro. Dentro de 10 dias, quando a campanha começar oficialmente, os candidatos a prefeito e vereador irão lidar com eleitores mais exigentes, mais conectados e principalmente mais desconfiados sobre as reais intenções de quem postula um cargo público.

Segundo o historiador e cientista político Boris Fausto, esse cenário irá obrigar os políticos a tomar o caminho inverso do percorrido em eleições anteriores. Se na disputa municipal de 2012 o foco das discussões estava concentrado no plano nacional, com candidatos buscando alinhar propostas à conveniência momentânea de ser aliado ou opositor do governo federal, desta vez só deverá ter êxito quem apresentar soluções aos problemas vivenciados no dia a dia de cada cidade.

Leia mais:
Confira a lista dos candidatos a prefeito de Porto Alegre
Quem são os candidatos a prefeito nas cinco maiores cidades do RS

— Os assuntos locais vão dominar como nunca. Será a única forma de atrair um eleitor cansado com todos esses casos de corrupção escancarados pela Lava-Jato. Quem tentar nacionalizar, pode ficar falando sozinho. Se fosse marqueteiro, aconselharia meu candidato a ser sincero a respeito dos problemas locais — comenta Fausto.

Outros fatores que favorecem o debate em torno das deficiências de cada município são o prazo exíguo da campanha — este ano restrita a 45 dias — e a escassez de recursos provocada pela proibição de doações empresariais. Com menos tempo e dinheiro, as máquinas de propaganda terão de se concentrar no currículo dos candidatos e nas propostas sintonizadas à realidade da população. Com a experiência de quem coordenou o marketing de três campanhas vitoriosas nos últimos anos — José Fortunati (Porto Alegre) e Jairo Jorge (Canoas), em 2012, e José Ivo Sartori (governo do Estado), em 2014 —, o jornalista Marcos Martinelli afirma que os eleitores estão mais conscientes e já não acreditam em soluções milagrosas.

— Será uma campanha mais simples, mais verdadeira e mais igual. Isso vai obrigar os candidatos a apresentar melhor os seus conceitos, a mensagem terá De ser crível — resume Martinelli.

Dicotomia ideológica contamina apoio de líderes nacionais

Para seduzir os eleitores, os grandes partidos nacionais buscam nova essência ideológica. Contudo, a reconstrução da própria identidade leva tempo, e eventuais mudanças programáticas não surtirão efeitos na eleição deste ano, muito em razão da atmosfera de radicalização que contaminou o debate político. Exacerbado nas manifestações de rua e nas redes sociais, fruto da discussão do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, o antagonismo raivoso envolve simpatizantes dos principais partidos, simbolizado na dicotomia "nós" e "eles".

Ao mesmo tempo em que estimularam a antipatia recíproca, os políticos de maior relevo viram crescer seus índices de rejeição popular, o que faz deles cabos eleitorais já não tão eficazes como em outras eleições. Uma pesquisa feita pelo instituto Datatempo em Minas Gerais mostra que o apoio do senador Aécio Neves (PSDB) a uma candidatura diminui em 28,3% a vontade dos mineiros de votar nesse apadrinhado. Em relação ao suporte do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, esse índice praticamente dobra: 54,3%.

— As pessoas se sentem mais protagonistas. Ninguém quer ser índio para seguir o cacique. Isso também decorre da absoluta falta de identidade dos partidos. Nenhum político aproveitou a crise para se reciclar, e hoje ninguém tem proposta clara para o Brasil, para os Estados e para os municípios — avalia Martinelli.

Para a cientista política Lucia Hippolito, a reinvenção é necessária, mas improvável a curto prazo. Lucia sustenta que as legendas têm outras prioridades, algumas inconfessáveis.

— A população está muito irritada, e com razão, com toda essa roubalheira. E cada partido tem seus próprios problemas éticos para resolver. O PT tentou se renovar com a Dilma e deu no que deu — analisa.

*Colaboraram Carlos Rollsing, Ciro Fabres e Ticiana Fontana

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMBM encontra mais de 100 pedras de crack em casa na região norte de Santa Maria https://t.co/UobjAdgC95 https://t.co/iN1DGptmcYhá 46 minutosRetweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMAcidente deixa uma motorista morta na ERS-342 em Cruz Alta https://t.co/lVJnmkEgNW https://t.co/JxiB5vzdwUhá 2 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros