Projeto anticorrupção do MPF pode sofrer alterações na Câmara  - Diário de Santa Maria

Política04/08/2016 | 02h00Atualizada em 04/08/2016 | 02h59

Projeto anticorrupção do MPF pode sofrer alterações na Câmara 

Deputados pretendem votar 10 medidas até novembro deste ano 

Projeto anticorrupção do MPF pode sofrer alterações na Câmara  Diego Vara/Agencia RBS
Foto: Diego Vara / Agencia RBS

Em um cenário com dezenas de parlamentares acuados pela Operação Lava-Jato, a Câmara se lançou o desafio de aprovar até o final de novembro e repassar ao Senado as 10 medidas contra a corrupção, pacote capitaneado pelo Ministério Público Federal (MPF) e apoiado pelas assinaturas de mais de 2 milhões de brasileiros. 

O périplo das propostas pelo Congresso se inicia por uma comissão especial de deputados, que abre hoje, com a fala do juiz federal Sergio Moro, a maratona de audiências públicas para discutir as mudanças na legislação. Trata-se de um vespeiro que mexerá com interesses de políticos, empresários, advogados, procuradores e magistrados.

— As 10 medidas são 10 conceitos, que mexem em mais de 29 leis. Aprová-las ainda em 2016 é uma oportunidade de resgatar a credibilidade da Câmara — afirma Onyx Lorenzoni (DEM-RS), relator do projeto.

Leia mais:
Vamos afastar os criminosos da política, diz relator de projeto anticorrupção

Criminalização do caixa 2 e do enriquecimento ilícito de agentes públicos, penas mais severas para corrupção, mudanças nas regras de prescrição integram o pacote, que sofrerá alterações e ganhará outros temas.

Fim do foro privilegiado, prêmio em dinheiro para quem delatar esquemas de corrupção comprovados ao final da investigação e regulamentação do lobby são algumas ideias que os deputados querem debater. Dentro da comissão, um grupo já trabalha para evitar alterações nas colaborações premiadas.

— Não vamos de forma alguma permitir — garante Rubens Bueno (PPS-PR).

Outra mudança na mira é a forma de indicação dos ministros do STF, prerrogativa do presidente da República. Atualmente, tramita uma PEC, de autoria do senador Lasier Martins (PDT-RS), que prevê a escolha pelo presidente a partir de uma lista tríplice apresentada por um colegiado. Incluir a proposta no pacote anticorrupção já sofre resistências.

— Não dá para ampliar muito o leque, porque vai dificultar a aprovação — argumenta Baleia Rossi (SP), líder do PMDB.

Integrante da comissão, Wadih Damous (PT-RJ) é crítico das medidas, consideradas duras e, em alguns casos, inconstitucionais. Para ele, o colegiado servirá de "palco" a Moro e aos procuradores da Lava-Jato. Ex-presidente da OAB do Rio de Janeiro, o deputado rechaça a proposta de "teste de integridade" para agentes públicos.

— Há outras maneiras de enfrentar a corrupção, via alteração na lei de licitações e medidas de direito administrativo. O direito penal atual já dá conta do combate à criminalidade, em particular à corrupção. Essa proposta tem um viés demagógico por parte do Ministério Público, que resolveu entrar no jogo político.


Nomes da Lava-Jato na comissão da Câmara

Nomes de destaque da Operação Lava-Jato serão ouvidos na comissão que discute o pacote de medidas de combate à corrupção. O primeiro a falar é o juiz federal Sergio Moro, que participa de audiência pública na manhã de hoje, na Câmara. Na próxima terça-feira, vai ao colegiado o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava-Jato no Paraná.

Os deputados querem ouvir a opinião de Moro, responsável por julgar os casos decorrentes da investigação em primeira instância, sobre o pacote que sugere mudanças na legislação, entre as quais a alteração nas regras de prescrição de crimes de corrupção e a redução das possibilidades de recursos no Judiciário.

Os parlamentares também querem ouvir informações sobre o andamento da Lava-Jato. Na terça-feira, Dallagnol fará uma apresentação aos deputados das 10 medidas de combate à corrupção, idealizadas pelo Ministério Público Federal, que liderou a campanha de coleta de assinaturas que levou o pacote à Câmara.

O período de audiências da comissão deve se estender até setembro, com a previsão de testetemunho mais de 60 pessoas. Entre os requerimentos já aprovados pelos parlamentares, há convites para ouvir os ministros aposentados do STF Ayres Britto e Joaquim Barbosa, relator do mensalão.

Atuais ministros da Corte, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski também serão convidados, além do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e do presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia.


 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMSanta Maria ganhará novo cursinho pré-vestibular https://t.co/FjzfzfdOin https://t.co/8RU8TyJudehá 2 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMOito candidatos a vice apresentam suas trajetórias https://t.co/SFmw6n2pvQ https://t.co/UzgPxDiQcHhá 2 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros