Maia diz que Câmara vota na terça-feira projeto de renegociação de dívidas dos Estados - Diário de Santa Maria

Em pauta08/08/2016 | 20h47Atualizada em 08/08/2016 | 20h49

Maia diz que Câmara vota na terça-feira projeto de renegociação de dívidas dos Estados

Relator da proposta, Esperidião Amin, disse que retirou do texto o que, em sua opinião, feria o Pacto Federativo, como o aumento da contribuição previdenciária dos servidores públicos

Maia diz que Câmara vota na terça-feira projeto de renegociação de dívidas dos Estados Gustavo Lima/Câmara dos Deputados/Divulgação
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados/Divulgação
Agência Brasil
Agência Brasil

O projeto que trata da renegociação das dívidas dos Estados e do Distrito Federal com a União será votado na terça-feira na Câmara dos Deputados. A afirmação é do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), após reunião com o relator do projeto, Esperidião Amin (PP-SC), e líderes partidários nesta segunda-feira.

— Hoje, conseguimos terminar um texto que representa a opinião da maioria dos líderes dos partidos da Casa. Se tudo der certo, vamos encerrar a discussão ainda hoje (segunda-feira), com a apresentação do texto final por parte do relator e dar tempo para que cada deputado possa ler a versão final e apresentar destaques até amanhã, às 10h — afirmou Maia.

Leia mais
Meirelles pede teto de gastos e proibição de aumentos para negociar com Estados
Maia prometeu anunciar até quarta data da votação da cassação de Cunha, diz Molon
Temer trata de obras inacabadas em reunião com Dyogo Oliveira e senadores

Relator da proposta, Esperidião Amin disse que, após as negociações, retirou do texto o que, em sua opinião, feria o Pacto Federativo, como o aumento da contribuição previdenciária dos servidores públicos e a inclusão, no limite de 60%, das receitas correntes líquidas, gastos com terceirizados e benefícios como auxílio-moradia e gratificações atualmente não incluídos na conta. Esse limite consta da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Segundo ele, a nova versão do texto está mais enxuta e vai garantir a repactuação das dívidas contraídas com a União em 1997 por 20 anos. 

— Estamos retirando do projeto tudo que falava sobre Previdência e sobre o aumento da contribuição previdenciária dos servidores públicos [...], limite de gastos e modificação da LRF — disse.

De acordo com o relator, o governo cedeu nesses pontos que serão tratados em outras proposições, algumas já em tramitação na Câmara, como a proposta de emenda à Constituição (PEC 241/16) que fixa teto de gastos para os próximos 20 anos e outras em negociação, como a reforma da Previdência. O governo também estuda promover mudanças na LRF, mas ainda não deu detalhes da proposta.

Um dos pontos polêmicos, o que trata do reajuste de servidores, foi mantido. Pelo projeto, os Estados que aceitarem renegociar dívidas terão de adotar um teto para o crescimento dos gastos públicos e proibir por dois anos a concessão de vantagens e aumentos para os servidores públicos.

— Por dois anos haverá um limite de despesas, que é da inflação do ano anterior, valendo ao Estado, respeitada a discricionariedade federativa, despender mais recursos aqui ou acolá. Ou seja, o preceito federativo está respeitado, diferentemente da regra que tinha sido estabelecida no projeto de lei original — informou Amin.

O acordo que prorroga o pagamento das dívidas e impõe o teto de gastos precisa ser ratificado pelas assembleias estaduais. 

— Caberá às assembleias legislativas tomar a decisão de aceitar o limite ou não. A União já acertou o limite com os Estados. Estamos deixando claro que esse limite tem de ser aprovado pela assembleia. Se não for aprovado, não vale — explicou. — Depois de dois anos, os Estados voltam a respeitar a Lei da Responsabilidade Fiscal se ela não for mexida — acrescentou.

A negociação em torno da proposta enfrenta obstáculos dos Estados e de parlamentares, inclusive da base aliada do governo do presidente interino Michel Temer, por impor condicionantes, entre elas o aumento do percentual de contribuição da Previdência pago pelos servidores estaduais.

Na manhã desta segunda-feira, o governo conseguiu fechar um acordo em torno da proposta depois da reunião, no Palácio do Planalto, entre Rodrigo Maia, Esperidião Amin, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o presidente interino Michel Temer, o líder do Governo na Câmara, André Moura (PSC-SE),e o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMMuito bom dia! Agora faz 7ºC. Máx. chega até 26ºC de tarde (cerração baixa, sol que racha!). De noite, cai até 13ºC… https://t.co/6INdR7Q8alhá 8 minutosRetweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMBM encontra mais de 100 pedras de crack em casa na região norte de Santa Maria https://t.co/UobjAdgC95 https://t.co/iN1DGptmcYhá 14 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros