Dilma aceita retirar menção a "golpe" de carta a senadores - Diário de Santa Maria

Impeachment10/08/2016 | 18h16Atualizada em 10/08/2016 | 20h24

Dilma aceita retirar menção a "golpe" de carta a senadores

Presidente afastada afirmou que, pessoalmente, defendia a inclusão do termo, mas aceitou os argumentos de que chamar parlamentares de golpistas pode fazê-la perder ainda mais votos

Dilma aceita retirar menção a "golpe" de carta a senadores Diego Vara/Agencia RBS
A presidente afastada, Dilma Rousseff Foto: Diego Vara / Agencia RBS
Carlos Rollsing e Guilherme Mazui e de Brasília

Contra os prognósticos que indicam sua cassação, Dilma Rousseff tenta evitar o clima de fim de linha. Poucas horas depois da votação que a tornou ré no processo de impeachment, a presidente afastada recebeu senadores aliados para almoço no Palácio da Alvorada.

Um dos assuntos debatidos foi a carta que deve ser lançada até terça-feira, com a defesa do plebiscito sobre novas eleições, além da estratégia de abordagem a grupo de oito a 10 senadores que seriam passíveis de mudança de voto no julgamento final. O senador Humberto Costa (PT-PE) negou que seja carta de despedida:

– O centro será a defesa da democracia e o plebiscito. A carta tem um papel a cumprir, porque a posição definitiva dos senadores será tomada agora. Há espaço para nossa votação crescer.

Leia mais
Impeachment de Dilma: quais são os próximos passos no Senado
Dilma pretende passar cerca de oito meses fora do Brasil, diz jornal 
"Correu tudo conforme o esperado", avalia Temer sobre votação do impeachment

Dilma reuniu, pelo menos, 12 senadores mais o presidente do PT, Rui Falcão, que é contra a consulta popular. A presidente apresentou esboço da carta. Segundo parlamentares, ela tinha o desejo de incluir a palavra "golpe", mas aliados ponderam que seria ofensivo, sobretudo com o Supremo Tribunal Federal (STF), e o termo foi cortado do texto.

O almoço também discutiu o placar da derrota na penúltima etapa do impeachment, no qual Dilma perdeu um voto na comparação com maio. A avaliação é de que o resultado era "esperado" e chegou a ser classificado como "bom" nas entrevistas de integrantes da tropa de choque petista. Contudo, em conversas reservadas, tanto o staff de Dilma quanto os senadores da sigla admitem clima de desânimo. 

Delação da Odebrecht alimenta esperança do PT 

A esperança do PT reside nos efeitos da delação premiada da Odebrecht, em negociação com o Ministério Público Federal (MPF), que cita Temer, mas que também trará prejuízos a Dilma e outras figuras centrais do partido, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele passou os últimos dias em Brasília em reuniões para avaliar o cenário político e as eleições municipais.

– A conjuntura está muito dinâmica, são delações, fatos novos. Isso aqui está imprevisível – afirma Lindbergh Farias (PT-RJ).

Dilma ainda terá de decidir se vai ao julgamento no Senado fazer a própria defesa. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) apoia, mas ressalva que o assunto está sob análise de José Eduardo Cardozo, advogado da presidente:

– Acho que ela poderia vir, é um espaço interessante de defesa.

Em caso de derrota, o plano de Dilma seria sair em viagem pela América Latina pelos próximos oito meses. Segundo a colunista da Folha de S.Paulo Mônica Bergamo, que publicou a informação nesta quarta-feira, a presidente teria preferência por países vizinhos, como Chile e Uruguai, para facilitar visitas aos netos, em Porto Alegre.

Leia as últimas notícias de Política

*Estadão Conteúdo

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMConheça os 213 candidatos à Câmara de Vereadores em Santa Maria https://t.co/Wsja2dnTm0 https://t.co/fkfSf04yOGhá 4 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMNoivo faz pedido de casamento em tela de cinema em Santa Maria https://t.co/L0UqKGqZFm https://t.co/g2Uyc83Wsrhá 6 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros