O Super Nintendo e sua inigualável capacidade de produzir boas memórias - Cultura e Lazer - Diário

Versão mobile

Coluna Tecnologia12/09/2017 | 15h54Atualizada em 12/09/2017 | 16h42

O Super Nintendo e sua inigualável capacidade de produzir boas memórias

Colunista relembra o clássico dos games e traz a boa notícia: relançamento será dia 29 nos EUA

Existem dois tipos de pessoas neste mundo: aquelas que jogaram em um Super Nintendo (SNES) e aquelas que desconhecem o significado da palavra diversão. E se você está lendo este texto, certamente faz parte do primeiro grupo. Toca aqui.

Durante a década de 1990, a fórmula da felicidade se resumia a uma TV de tubo e um Super Nintendo, e não era necessário dispor de um, bastava um convite para ir jogar na casa daquele bom e velho amigo bem afortunado, ou apenas meia dúzia de moedas para custear a diversão nas famigeradas locadoras de jogos que faziam a festa da garotada.

No último dia 23 de agosto, o saudoso console da Nintendo completou 26 anos desde seu lançamento (nos Estados Unidos). Isso significa que são mais de duas décadas e meia da existência de um dos videogames mais importantes para a história dos jogos eletrônicos, muito por conta do grande número de franquias que lá nasceram e também pela qualidade inquestionável de seu catálogo.

Foto: Reprodução / Reprodução

Nostalgia pura! É assim que se expressa o sentimento de todos aqueles que passaram tardes e mais tardes pressionando "meia lua, pra frente e soco", para desferir o famoso poder "hadouken", do personagem Ryu, em Street Fighter II; daqueles que disputaram inúmeras corridas automobilísticas sob o embalo da inconfundível música tema de Top Gear; daqueles que venceram incalculáveis jogos da seleção brasileira de futebol em International Superstar Soccer, com o auxílio, é claro, do melhor jogador de todos os tempos que nunca existiu: Allejo.

Foto: Reprodução / Reprodução

É verdadeiramente surreal pensar que tanto tempo já se passou e, principalmente, perceber que não há uma só lembrança que remeta a memórias ruins quando se trata das experiências relacionadas ao Super Nintendo. No que se refere a mim, o videogame de 16 bits da Nintendo possui um valor que vai muito além da esfera emocional que rege os sentimentos de nostalgia, trata-se de um dos maiores simbolismos de minha infância, e o grande responsável, inclusive, por hoje estar aqui falando sobre games nesta coluna.

Não há como se esquecer de meu primeiro contato com um videogame. Foi lá no não tão longínquo ano de 1996. Tinha apenas 5 anos, mas aquela imagem transmitida pela TV de uma locadora de jogos me marcou para sempre. Hoje, não é difícil entender o motivo. Tratava-se de um dos maiores suprassumos do Super Nintendo: Super Mario World. E não é necessário que se detalhe o porquê deste jogo ser tão memorável, não é verdade? 

Foto: Reprodução / Reprodução

Memórias, memórias e mais memórias. Quem aqui, por exemplo, não levou bronca dos pais ou ouviu comentários "mimizentos" por jogar o sanguinolento Mortal Kombat? O game era violento, verdade, mas nenhum jogador estava preocupado com isso. Pelo contrário, o principal objetivo era conseguir desferir um famoso fatality, fosse ele com o Scorpion, Sub-Zero ou Liu Kang. Não importa. Era diversão garantida (principalmente quando do multiplayer com os amigos).

E quanto à trilogia Donkey Kong Country e seus gráficos pré-renderizados incríveis? Coletar bananas e moedas bônus era uma tarefa árdua, mas extremamente prazerosa, e a dificuldade dos games da série eram algo extremamente natural para a época, ninguém reclamava, diferentemente de hoje. 

Não dá pra se esquecer, também, da ação frenética dos jogos da série Megaman X, ou da saga do elfo Link em The Legend of Zelda: A Link to the Past. As aventuras de Mickey e Pato Donald em Disney’s Magical Quest também foram memoráveis, assim como as corridas repletas de cascos vermelhos em Super Mario Kart.

Recordar o Super Nintendo é esquecer que hoje vivemos na era das mídias digitais, e relembrar que quando um cartucho de jogo não funcionava, um simples assopro resolvia tudo (pelo menos na maioria das vezes), e que a jogatina local com os amigos (diferentemente dos dias de hoje e as consequentes partidas online) era o ambiente propício para boas risadas (lembrando que depois de perder 10 vezes em um jogo, o seu amigo entoava o célebre "quem ganhar agora, ganha todas").

A VOLTA DO CLÁSSICO
Recentemente, visando remontar toda essa nostalgia, a Nintendo anunciou que relançará o Super Nintendo em uma edição mini (bem menor do que o original e sem a possibilidade de emular cartuchos), contendo dois controles e 21 jogos na memória, dentre os quais boa parte dos clássicos aqui lembrados (e um inédito, nunca antes lançado).

 O "novo" console chega às lojas americanas no próximo dia 29 de setembro, custando US$ 80 dólares. Infelizmente, por conta da alta carga tributária (aliado ao alto faturamento do mercado cinza), os jogadores brasileiros, provavelmente, terão de pagar muito mais do que os R$ 240 reais que seriam o preço da conversão direta para nossa moeda (não esperem menos do que R$ 600 reais em solo tupiniquim). De todo modo, para os colecionadores e saudosistas, não há preço que pague reviver boas memórias.

O LEGADO DA LENDA
É inquestionável o valor que detém o Super Nintendo para a geração de crianças e adolescentes da década de 1990 e início dos anos 2000. Uma época dourada para os games, não apenas no Brasil, mas no mundo inteiro. Inegável reconhecer que a indústria de jogos eletrônicos, hoje, deve e muito a tudo aquilo que o Super Nintendo e seus jogos propiciaram em diferentes escalas evolutivas no ramo, sejam elas nas questões gráficas, de jogabilidade ou de level design.

O Super Nintendo foi um verdadeiro playground de diversão, grandes feitos e boas histórias de um tempo que não volta mais, mas que continua e continuará sempre vivo na memória de todos que tiveram a oportunidade de ter uma infância ou adolescência agraciada com aquele que considero o melhor videogame de todos os tempos. O sentimento é tão bom, mas tão bom, que tenho certeza que ao chegar a esse ponto do presente texto muitas memórias felizes tomaram conta de sua mente (principalmente se você assistiu aos vídeos dispostos nesta coluna).


Vida longa ao pequeno grande notável da Nintendo.  
Vida longa ao rei dos videogames.  
Vida longa ao Super Nintendo!


 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMRT @pedrohpavan: Anderson Daronco é escalado para penúltima rodada das Eliminatórias da Copa: https://t.co/D2cKKOzHFg @diariosm https://t.c…há 21 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMVÍDEO: você sabe tudo de gauchês? https://t.co/uWisyP5MIE #diadogaucho #20desetembro https://t.co/neUB2axiwchá 23 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros