É uma cachaça. E das boas - Cultura e Lazer - Diário

Versão mobile

Coluna Cultura29/09/2017 | 15h15Atualizada em 29/09/2017 | 15h15

É uma cachaça. E das boas

Colunista declara seu amor pelo tradicionalismo e conta que nem sempre pensou assim

"Esse mundo não é pra mim!"
Meu discurso sempre era esse....
Mas, olhando para o passado, após dez anos dedicados à música tradicional gaúcha, digo sem medo de errar: é uma cachaça! E das boas.

Minhas primeiras impressões da música gaúcha vieram com seu Augusto Flores da Rosa, meu avô. Sempre muito bem pilchado – aliás, diga-se de passagem, pilcha completa -, todos os domingos, lá ia ele fazer seu churrasco na churrasqueira de tijolo. Era sempre o mesmo ritual. Metódico era ele, lenha, fogo, espeto, sal.... E até mesmo nas músicas... O inconfundível "larairai.../ Me chamam de Grosso", do Gildo de Freitas, o Guri, de Cezar Passarinho, as famosas do Marco Aurélio Vasconcelos e Renascimento de Antônio Augusto Fereira. Os Clássicos!

Mais tarde, nesta minha vida musicada, me vi dentro de um CTG. Primeiro conhecendo e me despindo de preconceitos, depois participando de algumas atividades e eventos, até fazer parte de um Musical de Invernada. Sim! Cantar para o grupo dançar. No começo muito "pápá", "ôôô", "aaaaa" no Maçanico, Tatu com vota no meio, Balaio... Mulher fazia vocal e ponto. Hoje, a coisa é bem diferente!

Em 2006, foi meu primeiro ano e, acreditem, o ano do primeiro prêmio no Enart! Mas o que é isso? Enart – Encontro de Arte e Tradição Gaúcha é o maior festival amador da América Latina... Mais de 24 modalidades entre dança, canto, declamação, causo, pajada, conjunto vocal, instrumental, dança de salão entre outros figuram nos palcos de Santa Cruz do Sul, que acolhe centenas de prendas, peões e simpatizantes do tradicionalismo.

Deborah em sua estreia no Enart, em 2006, com o CTG Sentinela da Querência, campeão musical naquele anoFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo pessoal

Sim, queridos leitores. Um mundo à parte. Único! Quem vai, não esquece!

Pois é, e que eu sempre disse que esse mundo não era pra mim, estarei em Uruguaiana amanhã para mais uma etapa do Enart após 11 anos da estreia. Agora, como integrante do Conjunto Musical do Departamento Tradicionalista Querência das Dores, atual Melhor Musical para Grupo de Dança do Enart 2016.

Deborah Rosa, com o grupo musical do DT Querência das Dores, campeão musical do Enart em 2016Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo pessoal

Gratidão, sempre, aos queridos CTG Sentinela da Querência, CTG Farroupilhas, DTCE Alma Gaúcha, CTG Charrua no PR, CTG Caminhos do Pampa em POA.... Bá! Quantos....

Foram anos preciosos para mim e para minha construção artística. Entre milongas, rancheiras, vaneiras, muitos talentos surgem de musicais de invernada. Vejam Cezar Oliveira e Rogério Mello, Shana Muller e dizem até que o ator Alexandre Nero foi "músico de invernada"... Gente que canta a sua música e investe nisso. Esse sim não é o meu mundo....

Mas a minha experiência foi além. Me descobrir dentro desse mundo cheio de musicalidade foi meu grande desafio. E foi pesquisando ritmos, intérpretes, autores que descobri os Litorâneos. Aí, cheguei à minha música gaúcha. A música negra! Loma Pereira, Carlos Catuípe, Ivo Ladislau, Lenin Nunes, Grupo Chão de Areia, Kako Xavier entre muitos outros me encantaram com o ritmo e a vida da música do litoral. Sem esquecer, é claro da rica e valorosa  Maria Luiza Benites, que me encanta com seu canto missioneiro.

E foram estes temas, junto aos clássicos, que tive minhas maiores alegrias. Reconhecimento em forma de prêmios que, neste meio, são como alavancas para diferenciar gregos e troianos.

Integrante do Conjunto Musical Campeão de Invernada ENART 2006 e 2016, Melhor Conjunto Vocal ENART 2009, Melhor Intérprete Solista Vocal ENART 2012 são os principais prêmios na música do Enart. E são meus! Meus e de grandes colegas que, com muita dedicação e talento, me acompanharam nesta caminhada.

Neto Fagundes, Deborah Rosa e Shana Muller no Galpão CriouloFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo pessoal

São processos incríveis de aprendizado e valorização da cultura gaúcha. Durante este processo, ainda tive oportunidade de, por duas vezes, ser Membro da Comissão Avaliadora de Música do MTG – Movimento Tradicionalista Gaúcho e participar de Festivais de Música Nativista pelo Estado. Um outro segmento da música gaúcha que me rendeu o Troféu Origens oferecido pelo Galpão Crioulo em 2015, durante a 25º Tafona da Canção Nativa. Uma projeção incrível no meio. Que alegria!

Deborah, com o Troféu OrigensFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo pessoal

Imagine se esse mundo não fosse pra mim?
Jamais diga isso!

Conhecer a nossa música e, principalmente valorizar e respeitar, é uma bênção. Não só no mês farroupilha. Se você tiver oportunidade de conhecer, vá!

Ouça os clássicos da música gaúcha. Mas com a alma limpa e leve.

Viste um CTG, um ensaio de invernada... É incrível!

Se permita conhecer um pouco da nossa cultura, os eventos, as música, as danças e as posturas.

É um aprendizado rico!

Que venha mais um Enart! (neste ano,o evento ocorre de 17 a 19 de novembro, no Parque da Oktoberfest, em Santa Cruz do Sul.



 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMPrefeitura continua limpeza em Santa Maria neste sábado https://t.co/XIu3WfAJZ7 https://t.co/LIcdfBKvcZhá 14 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMVÍDEO: motorista filma destruição ao longo da BR-287 https://t.co/qtykUbSLh9 https://t.co/UX5vvRv7mqhá 14 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros