Cronistas do Diário: Prestem atenção ao tango!, por Jumaida Rosito  - Cultura e Lazer - Diário

Versão mobile

Opinião20/01/2017 | 07h18Atualizada em 20/01/2017 | 07h18

Cronistas do Diário: Prestem atenção ao tango!, por Jumaida Rosito 

Cronistas do Diário: Prestem atenção ao tango!, por Jumaida Rosito  Arte Rafael Guerra / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Arte Rafael Guerra / Agência RBS / Agência RBS

De vez em quando, adoro essas festas um pouco empoadas, que nos obrigam ao uso de traje formal. Em algumas delas, convivem diversas gerações, em perfeita harmonia, até o momento dos brindes e regabofes. Mas, então, chega a hora do baile, minha parte favorita! Se a banda conhece seu ofício, sabe que começar com ¿New York, New York¿ é um limpa-banco para a velharada (categoria em que me incluo), mas sabem do risco de ver as gerações ¿Y¿ e ¿Z¿ sacando smartphones para acessar sua própria playlist. Se tocarem Rihanna ou Anitta, serão os da melhor idade a sacudir os pés, impacientes. Mas, condescendendo aqui e acolá, no meio da madrugada, todo mundo já dança junto, uma mistura de Wesley Safadão, Tim Maia e ABBA, tirando a gravata ou o sapato de salto na hora do sertanejo universitário. Eu assisto a essas coisas maravilhada, como quem acompanha o desfile de escolas de samba – é deslumbrante ver o desempenho dos passistas, as alegorias e a evolução dos tímidos que viram destaque!

Mais tarde, entram as canções românticas, para dar uma chance aos novos casais, e a última oportunidade para os já muito antigos! E, se eu tiver muita sorte, assisto a um tango de camarote! Nessa hora, com o salão cheio, três coisas podem acontecer: 1) Certos homens conduzem suas companheiras de volta à mesa alegando cansaço, mas, na verdade, querendo fugir do vexame; 2) Muitos casais continuam na pista, reconhecendo, com elegância, sua compreensível imperícia; 3) Os iniciados começam seu show. Mas, antes de falar dos iniciados, deixem-me dizer que, entre os que ficam na pista, observei dois subgrupos: os já mencionados elegantes, que aproveitam o drama e a sensualidade que o tango proporciona (ponto para eles!), e os engraçadinhos de costume, com as zombarias que fazem morrer de rir sua fiel plateia (pobre mulher!).

Leia mais textos dos cronistas do Diário 

Vamos, então, aos iniciados. São, geralmente, casais mais velhos, embora o tango não tenha idade. Assim que se colocam frente a frente, seus rostos se transformam; tornam-se sérios e abstraídos do mundo ao redor – concentram-se, apenas, um no outro. No tango, não há espaço para aquelas desprezíveis olhadinhas para o lado (um mau costume de alguns, enquanto dançam de rosto colado). Num tango, a dama entrega o corpo com confiança, intuindo os movimentos do parceiro, porque tornam-se um só. Por generosidade de um e outro, podem executar performances individuais, mas tudo em perfeita harmonia, como deveria ser na vida. Para os homens, é preciso mais coragem para esse tipo de dança, um aguçar de sensibilidade e foco. Por isso, desenvolvi uma teoria! Se você tem um companheiro para dançar um tango figurado, e se ele se concentra tanto em você, a ponto de não considerar as piadinhas dos brucutus da mesa dos espumantes, parabéns, você encontrou uma joia rara! É provável que ele tenha colocado a seus pés, ao longo da vida, o mesmo foco, sensibilidade e coragem que demonstra, sem pudor, na pista de dança.  

 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMPrefeitura realiza recuperação de tubulação no bairro Menino Jesus https://t.co/dBuMMiwodT https://t.co/bE9X7OJc3Zhá 8 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMHomem é preso por furto em motel de Santiago https://t.co/XtteQCOu0s https://t.co/CnKB0evk2thá 8 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros