Comovente, filme vencedor de Cannes narra jornada de homem desassistido pelo Estado - Cultura e Lazer - Diário

Versão mobile

Crítica05/01/2017 | 07h00Atualizada em 05/01/2017 | 07h08

Comovente, filme vencedor de Cannes narra jornada de homem desassistido pelo Estado

"Eu, Daniel Blake", de Ken Loach, estreia nesta quinta-feira nos cinemas

Comovente, filme vencedor de Cannes narra jornada de homem desassistido pelo Estado Imovision/Divulgação
Dave John interpreta carpinteiro que sofreu infarto mas não consegue receber seguro social Foto: Imovision / Divulgação

A primeira imagem de Eu, Daniel Blake é uma tela escura. Não vemos nada, apenas ouvimos um homem responder um questionário padrão para saber se será considerado apto a receber o chamado Auxílio Financeiro ao Trabalhador. "O senhor consegue erguer o braço direito até a altura do bolso da camisa?", pergunta a atendente do serviço que, saberemos em seguida, foi terceirizado pelo governo. "E o esquerdo?" "O senhor consegue pôr um chapéu na cabeça?" "E apertar um botão?" As perguntas se sucedem, e a paciência do interrogado
se esvai. "Já respondi tudo isso naquele formulário de 52 páginas", ele diz, irritado. ¿Tive um ataque cardíaco. Meus dedos estão bem. Você não vai perguntar sobre o meu coração?"

Sua situação é tão familiar a qualquer um que vive em qualquer país do
Ocidente que nem precisamos vê-lo para entendê-lo – o que explica a opção
do diretor, Ken Loach, por iniciar a projeção sem mostrar o rosto de seu protagonista. Daniel Blake está prestes a ser engolido por um sistema que,
mais do que a saúde do contribuinte, está preocupado com o ganho
financeiro de quem o gerencia.

Leia todas as críticas e notícias de cinema em ZH

Eu, Daniel Blake chega nesta quinta-feira ao circuito brasileiro chancelado pela Palma de Ouro em Cannes, o maior festival de cinema do mundo. Trata-se de um filme comovente, que só carrega uma aura de controvérsia porque venceu uma das mais valorizadas edições recentes do evento, superando títulos queridos da crítica internacional como o brasileiro Aquarius, o francês Elle e
o alemão Toni Erdmann, onipresentes nas listas de melhores longas de 2016
(este último ainda sem estreia marcada no Brasil).

Interpretado por Dave Johns, Blake é um carpinteiro de 59 anos vivendo e trabalhando na fria cidade industrial de Newcastle, norte da Inglaterra. Ou melhor, impedido de trabalhar desde que sofreu um infarto. E, além disso,
como veremos alguns minutos após o citado diálogo inicial, impossibilitado de receber o seguro social enquanto se recupera, conforme decisão tomada com base no tal questionário padrão.

Melhores de 2016: confira a retrospectiva do ano do Segundo Caderno

Sua jornada, a partir daí, inclui apelos, recursos e vários momentos de humilhação. Em meio a esse desgastante processo, ele se vê tocado pela
história de uma estranha recém-chegada de Londres (Hayley Squires) que, desempregada, tem dificuldades para criar os dois filhos (Briana Shann e
Dylan McKiernan). Sabemos nada de seu passado – e mesmo da vida pregressa de Blake, exceto pelo fato de que ele cuidou de sua companheira até que ela morresse, anos atrás. Trata-se de outro acerto de Loach: privilegiando as informações que dão pistas sobre a personalidade dos personagens, e não atos passados que no fundo seriam irrelevantes para a trama, o realizador evita julgamentos e, consequentemente, linchamentos morais típicos da era de intolerância em que o mundo mergulhou.

Eu, Daniel Blake é um filme absolutamente sintonizado com seu tempo.
E, para os espectadores de países como o Brasil, que discute uma ampla reforma da Previdência, uma peça de reflexão que transcende o cinema e promove um debate mais do que pertinente neste momento que é, ao mesmo tempo, de automação dos serviços e triunfo do conservadorismo.

Uma questão levantada desde Cannes é o fato de Loach, o veterano cineasta das causas sociais envolvendo as classes operárias britânicas (ainda que dedicado a algumas comédias nos últimos anos), repetir ética e esteticamente um discurso que vem fazendo desde Kes (1969). A verdade é que o novo longa guarda semelhanças com inúmeras histórias de pessoas fatigadas por certas engrenagens, do clássico brasileiro O homem que virou suco (1980), de
João Batista de Andrade, ao pouco visto mas muito eficiente Um episódio
na vida de um catador de ferro-velho
(2013), do bósnio Danis Tanovic –
este especialmente parecido em sua temática com Eu, Daniel Blake.

É a atualidade do filme, a despeito disso, que faz a diferença.

Sem qualquer tipo de chantagem emocional, Loach consegue fazer os espectadores das mais diversas origens e das mais variadas castas se identificarem com a história de seu herói improvável. Faça o teste: vá ao cinema e tente não se emocionar com Daniel Blake. Vai ser difícil.

EU, DANIEL BLAKE
De Ken Loach.
Com Dave John, Hayley Squires, Briana Shann e Dylan McKiernan.
Drama, Reino Unido/França/Bélgica, 2016, 100min.
Estreia nesta quinta-feira em Porto Alegre, no Espaço Itaú 1 e no Guion Center 1.
Cotação: 4 estrelas (de 5).

 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMRT @pedrohpavan: Especial Copa Santiago: entre histórias e sonhos, o maior torneio de futebol juvenil da América do Sul: https://t.co/phdGY…há 1 diaRetweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMRT @pedrohpavan: Casamento de Maria Portela reunirá judocas olímpicos e da Seleção em Santa Maria: https://t.co/QtbubKptGn @diariosm @MahPo…há 2 diasRetweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros