Jornalista conta como encarou o diagnóstico de dois cânceres de mama - Cultura e Lazer - Diário

Versão mobile

Outubro Rosa10/10/2016 | 15h01Atualizada em 11/10/2016 | 07h27

Jornalista conta como encarou o diagnóstico de dois cânceres de mama

 Ivanete Marzzaro conta sua experiência e dá dicas de como reagir

Jornalista conta como encarou o diagnóstico de dois cânceres de mama Felipe Nyland/Agencia RBS
"O que vier, vou encarar, de cabeça erguida". Esse é o lema da jornalista Ivanete Mazzaro Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Oito de julho de 2014. Enquanto milhões de brasileiros aguardavam ansiosos pelo jogo Brasil x Alemanha, na Copa do Mundo, eu tentava digerir a informação recebida às 12h20min, que confirmava o diagnóstico de câncer na mama esquerda. A eliminação do Brasil do mundial por 7 x 1 só agravou a angústia.

Quatro de agosto de 2016. Enquanto milhões de brasileiros aguardavam o início das Olimpíadas do Rio, eu tentava entender o porquê da confirmação do segundo diagnóstico de câncer na mesma mama. Cheguei a duvidar do resultado.

Como seria possível? Tinha encerrado o tratamento de quimioterapia e radioterapia há menos de sete meses! Me revoltei, esperneei, chorei. Nada disso resolveu. Era preciso encarar uma nova cirurgia, desta vez mais radical, retiraria as duas mamas. A direita por prevenção, pelo histórico familiar.

No dia 31 de agosto de 2016, voltava ao mesmo bloco cirúrgico, com a mesma equipe médica, olhando para as enormes lâmpadas sobre minha cabeça. Adormeci. Acordei sete horas depois sem as mamas, com dois enormes drenos (um de cada lado) e com oxigênio que me ajudava a respirar.

Começava a segunda luta contra uma doença que mata 520 mil mulheres por ano no mundo. Só em 2016 são estimados 60 mil novos casos no Brasil. Na Região Sul, a estimativa é de mais de 4 mil novos casos. Em Caxias, até setembro de 2016 foram confirmados 385 novos casos. Os dados integram o Programa Municipal de Vigilância e Detecção Precoce do Câncer de Mama (Vigimama), criado em 2007 e que avaliou 986 casos. 35% dos casos são em mulheres com menos de 50 anos.

Leia mais
Como a unidade de conforto do HG auxilia pacientes terminais em Caxias
HG inaugura Unidade de Conforto Sintomático para pacientes terminais
Inaugurada nova unidade de oncologia do HG em Caxias do Sul

Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS


A recuperação
Foi mais difícil que da primeira vez. É melhor não saber muitas coisas. Mas eu sabia qual seria o processo. Já tinha vivenciado há pouco tempo. No primeiro, criamos no Pioneiro o blog De Cabeça Erguida, em que relatava as etapas do tratamento. Com sangue de jornalista, sentia a necessidade de passar adiante tudo o que estava acontecendo comigo para tentar ajudar outras mulheres.

A cada dia, surgia uma novidade. Quimios que meu organismo rejeitou, outras em que passei muito mal, pele queimada pela radioterapia, praia sem sol e caipira, careca, energia extra. O mais importante, enfrentei tudo com muito alto-astral. A família e a equipe do Pioneiro foram fundamentais. O retorno foi impressionante. Dividia com os leitores minhas dores, angústias e vibrava a cada conquista.

Quando encerrei o blog, em março de 2016, me considerava vitoriosa. Escrevi: "estou curada". Comemorei, recebi homenagens, muita gente celebrou comigo. Era uma guerreira. Tinha vencido o câncer. Mas esqueci de uma informação importante, que meus médicos sempre deixaram claro. A cura seria superior a 90%. Esqueci dos 10% restantes. Estava nesta minoria.

Na segunda ecografia após o fim do tratamento, a expressão do radiologista realizando o exame era um prenúncio de que algo estava errado. O pedido de uma punção em dois pequenos novos nódulos me deixou perplexa.

A angústia voltou. Era preciso agendar o exame e aguardar o resultado. Lá se foram quase 15 dias de noites mal dormidas. No dia 4 de agosto, finalmente consegui ter o resultado em mãos. Abri o envelope ainda no laboratório. Letras maiúsculas e destacadas revelavam: CARCINOMA MAMÁRIO INVASOR. Perdi o chão pela segunda vez. Embora estivesse psicologicamente preparada para a notícia, só consegui controlar a emoção até entrar no carro do jornal que foi ao centro de Caxias me buscar. Sentada no banco, desabei. O motorista assistiu a tudo. Calado. Neste dia a redação do Pioneiro ficou cinza.

As duas saídas
Quando o resultado do exame der positivo, você só tem duas saídas. Enfrentar (de cabeça erguida) ou se entregar à doença e esperar a morte. Optei pela primeira. Assim que o resultado chegou em minhas mãos, dei a notícia para a família e os amigos, que ficaram tão perplexos quanto eu. Não pensei muito e comecei a virar o jogo. Falei com meu mastologista, agendei consulta e combinamos como seria a cirurgia.

Desta vez com um novo integrante. Enquanto o dr. Ricardo Boff retirava os músculos para não deixar vestígios, o especialista Felipe Sauer reconstruía as mamas. Sai do hospital com duas próteses de silicone, e duas mangueiras acopladas aos drenos, mas poderosa. Sabia que o tempo iria curar qualquer dor. Não sei o que o futuro me reserva, só sei que vou viver um dia de cada vez. Também não sei qual tratamento. O que importa é que estou viva. O que vier, vou encarar, de cabeça erguida.

Como reagir

1.
O médico é nosso curador. Procure o melhor profissional da área, que lhe faça sentir segura.
2. Nossa mente é poderosa. Não se sinta vítima. Não se sinta doente. Não tenha medo da morte. Acredite que está curada.
3. Apegue-se a pessoas que superaram a doença, que estão bem.
4. Não permita que as pessoas a façam sofrer. Também não sofra pelos outros. Proteja-se.
5. Se sentir necessidade torne público sua doença. Se achar que não, guarde-a para você, sua família e principais amigos.
6. Um corpo em equilíbrio destrói as células cancerígenas. Não sinta ódio, piedade e tampouco medo. Esses são os piores sentimentos.
7. O tratamento não é um conto de fadas. Quando o cabelo começar a cair (devido à quimioterapia), não perca a energia. Acredite que o remédio que está entrando em sua veia vai lhe curar. Mentalize: "Eu aceito este remédio como uma energia de Deus".
8. O que vai aliviar sua dor é a sua mente. Mude a forma de ver a vida.
9. Não tenha medo da morte. Acredite que ainda vai viver muito. Desta vez, com mais qualidade.
10. Pare e pense: o que vou levar da vida? Qual legado vou deixar? A partir daí lute para realizar todos os seus sonhos. 

A prevenção é a melhor saída para a cura
Quem descobre o câncer no primeiro estágio tem mais chance de cura e tempo de sobrevida. Por isso foi criado o Outubro Rosa, quando acontecem várias atividades alertando para a prevenção: se autoexaminar e fazer a mamografia periodicamente. Dependendo do caso, o tumor cresce muito rápido. Se demorar para tratar, pode ser irreversível.

Em Caxias, a programação já começou. No último sábado, 33 UBSs estiveram abertas para as mulheres obterem a solicitação de mamografia e coleta de exame citopatológico. Dados do Vigimama apontam que houve redução do tamanho do tumor da mulher caxiense. Em 2008, a média era de 3,3 cm. Em 2015 o tamanho reduziu para 2,6 cm. Isso diminuiu a mortalidade em Caxias: 58 mortes em 2014 e 44 em 2015, segundo a amostragem.

A programação durante o mês de outubro é intensa em todos os municípios da Serra. As atividades chamam a atenção para a prevenção. 

 
 

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMSuspeito de integrar movimento neonazista é preso em Cruz Alta https://t.co/HlPiwvvtk9 https://t.co/EtWLEXWtgEhá 11 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMEstudantes começam a desocupar prédios da UFSM https://t.co/fHTMnU4nv0 https://t.co/uC8MlLQBGhhá 11 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros