Premios Platino, considerado o "Oscar ibero-americano", tem sua terceira edição neste domingo - Cultura e Lazer - Diário

Versão mobile

Festa de gala02/08/2016 | 15h31Atualizada em 03/08/2016 | 07h44

Premios Platino, considerado o "Oscar ibero-americano", tem sua terceira edição neste domingo

Premiação, que não tem indicados brasileiros entre as principais categorias, será transmitida pelo Canal Brasil

Premios Platino, considerado o "Oscar ibero-americano", tem sua terceira edição neste domingo Pandroa Filmes/Divulgação
Javier Cámara e Ricardo Darín em ¿Truman¿. Argentino Darín será o grande homenageado da premiação Foto: Pandroa Filmes / Divulgação

Em sua terceira edição, os Premios Platino del Cine Iberoamericano chegam a Punta del Este neste domingo. O Centro de Convenções do balneário uruguaio será o palco da entregados troféus, que foram instituídos em 2014 com o objetivo de se tornar o ¿Oscar ibero-americano¿.

Depois de passar pela Cidade do Panamá, há dois anos (de onde saiu consagrado o filme chileno Gloria), e por Marbella, na Espanha, em 2015 (com a vitória do longa argentino Relatos selvagens), a festa de gala chega pela primeira vez à América do Sul. Mais perto do Brasil, mais longe do cinema brasileiro: chama a atenção que, entre os indicados nas principais categorias, inexistam filmes realizados no país – é de se estranhar a ausência, por exemplo, de um longa como Que horas ela volta?, de Anna Muylaert.

Leia mais:
Tarzan volta aos cinemas em nova adaptação
Chocolate: filme francês fala sobre a luta de um ex-escravo
Com Ingrid Guimarães e Alice Braga, Entre idas e vindas mostra descobertas de amigas em viagem

Mas a lista está repleta de bons títulos, mais ousados do ponto de vista formal (como o colombiano O abraço da serpente, de Ciro Guerra) e, sobretudo, que dialogam com mais facilidade com o grande público (caso da produção hispânica-argentina Truman, de Cesc Gay). Consagrados no circuito de festivais, o chileno O clube, de Pablo Larraín, e o argentino-espanhol O clã, de Pablo Trapero, completam o rol dos mais lembrados pelos organizadores – o quinteto de indicados a melhor filme ficcional é completado pelo longa-metragem guatemalteco Ixcanul, de Jayro Bustamente, o único dos cinco que permanece inédito nos cinemas brasileiros.

Nem nas homenagens, que já se tornaram um dos principais atrativos midiáticos da premiação, o Brasil foi lembrado: quem vai receber o Platino de Honor, desta vez, é o argentino Ricardo Darín, também indicado a melhor ator (por Truman). Nas edições anteriores, a brasileira Sonia Braga e o espanhol Antonio Banderas foram os homenageados. A cantora Roberta Sá, escolhida para ser uma das apresentadoras da noite (entre cerca de 20 artistas de América Latina, Espanha e Portugal), será a responsável por dar sotaque português à cerimônia – o ator Joaquim de Almeida acabou cancelando sua presença em Punta del Este.

Os Premios Platino constituem uma promoção da Entidade de Gestão de Direitos dos Produtores Audiovisuais (Egeda) e da Federação Ibero-americana de Produtores Cinematográficos e Audiovisuais (Fipca). Juntas, as duas entidades criaram em 2002 o Troféu Luis Buñuel, que cumpria papel semelhante ao do novo projeto de premiação voltado ao cinema ibero-americano.

Confira os principais indicados aos Premios Platino

MELHOR FILME FICCIONAL
O abraço da serpente, de Ciro Guerra (Colômbia/Venezuela/Argentina)
O clã, de Pablo Trapero (Argentina/Espanha)
O clube, de Pablo Larraín (Chile)
Ixcanul, de Jayro Bustamante (Guatemala)
Truman, de Cesc Gay (Espanha/Argentina)

MELHOR DIREÇÃO
Alonzo Ruizpalacios, por Güeros (México)
Cesc Gay
Ciro Guerra
Pablo Larraín
Pablo Trapero

MELHOR ATOR
Alfredo Castro, por O clube
Damián Alcázar, por Magallanes (Peru/Argentina/Espanha)
Guillermo Francella, por O clã
Javier Cámara, por Truman
Ricardo Darín, por Truman

MELHOR ATRIZ
Antonia Zegers, por O clube
Dolores Fonzi, por Paulina (de Santiago Mitre, Argentina/Brasil/França)
Elena Anaya, por La memoria del agua (de Matías Bize, Chile / Argentina / Alemanha / Espanha)
Inma Cuesta, por La novia (de Paula Ortiz, Espanha)
Penélope Cruz, por Ma ma (de Julio Medem, Espanha)

MELHOR ROTEIRO
Truman
O abraço da serpente
Ixcanul
O clube
Magallanes, de Salvador del Solar

MELHOR ANIMAÇÃO
Atrapa la bandera, de Enrique Gato (Espanha)
Don Gato II: El inicio de la pandilla, de Andrés Couturier (México)
El americano, de Ricardo Arnaiz, Mike Kunkel e Raul Garcia (México/EUA)
El secreto de Amila, de Gorka Vázquez (Argentina/Espanha)
Cantando de galo, de Gabriel e Rodolfo Riva
Palacio Alatriste (México)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Allende mi abuelo Allende, de Marcia Tambutti Allende (Chile/México)
Chicas nuevas 24 horas, de Mabel Lozano (Argentina / Colômbia / Paraguai / Peru / Espanha)
El botón de Nácar, de Patricio Guzmán (Chile/Espanha)
La Once, de Maite Alberdi (Chile)
The propaganda game, de Álvaro Longoria (Espanha)

MELHOR FILME DE ESTREIA
600 milhas, de Gabriel Ripstein (México)
El desconocido, de Dani de la Torre (Espanha)
El patrón: Radiografía de un crimen, de Sebastián Schindel (Argentina / Venezuela)
Ixcanul
Magallanes

MELHOR FOTOGRAFIA
Ixcanul
Magallanes
O abraço da serpente
El desconocido
O clã

 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga Diário SM no Twitter

  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMSérie "Como assim, candidato?" entrevista Paulo Weller https://t.co/4sskaH3IdD https://t.co/oFYPixP7qihá 5 horas Retweet
  • diariosm

    diariosm

    DiárioSMJovem é executado na frente da mulher em Cacequi https://t.co/f8ntYUbCbu https://t.co/5fR1nMbP3Mhá 6 horas Retweet

Veja também

Diário de Santa Maria
Busca
clicRBS
Nova busca - outros